Antonio Orlandino Gurgel Do Amaral – Homenagem Póstuma

Antonio Orlandino Gurgel Do Amaral – Homenagem Póstuma

Foto: Divulgação

 

 

 

Nasceu em Tefé/AM, em 29 de julho de 1944, filho de Adelino Gurgel do Amaral e Stella de Melo Gurgel. Mais tarde, a família mudou-se para Manaus e morou por muito tempo no bairro Cachoeirinha.

 

 

A FAMÍLIA

 

 

A família sempre foi o seu bem maior. Adorava os pais e amava verdadeiramente os irmãos. Eram 13: Antônio, Jorge, Cipriano, Lúcio, Adamor, Orlandino, Adelino e Alan (8 homens) e Antonieta, Adestelina, Alice, Maria das Graças e Iraídes (5 irmãs). Prezava a união e a harmonia familiar.

 

Do casamento com a mato-grossense Nair Ferreira Gurgel do Amaral, em 24 de junho de 1967, (ela com 16 e ele com 22 anos) teve 4 filhos: Paulo Henrique Gurgel do Amaral (in memoriam), casado com Lucinéia Monteiro da Costa, Marcelo Antônio Gurgel do Amaral, Daniele Gurgel do Amaral, casada com Marcelo Longo de Oliveira e Gustavo Gurgel do Amaral, sendo que os dois primeiros nasceram em Coxim/MS e os dois últimos, em Porto Velho/RO. Teve 4 netos: Naína Monteiro Gurgel do Amaral, Pedro Henrique Monteiro Gurgel do Amaral, FelipeGurgel do Amaral e Maria Teresa Gurgel do Amaral de Oliveira e um bisneto: Axl Gurgel do Amaral Silva, filho da neta Naína. Uma família que construiu com muito esmero e por quem se preocupava sobremaneira, amando a cada um. Completou com a esposa, professora Nair Gurgel, 53 anos de casamento, em 2020.

 

 

A FORMAÇÃO

 

Fez o Ensino Fundamental e Médio em Manaus. Em1968, fez o Curso Técnico em Contabilidade, em Coxim/MS.

 

Em Porto Velho/RO, concluiu dois Cursos Superiores: Economia pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR (1980-1984) e Direito pela Faculdade de Ciências Humanas e Letras de Rondônia – FARO (1988 – 1992). Depois, em 2000-2001, cursou Pós-Graduação, Especialização Lato Sensu em Metodologia do Ensino Superior na Universidade Federal de Rondônia – UNIR.

 

 

A DOCÊNCIA

 

Foi professor de História do Brasil e Língua Inglesa no Segundo Grau, em Coxim/MS; Professor de Direito Tributário e Direito Comercial no curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Rondônia – UNIR, como Professor Colaborador, no período de 2000 a 2002.

 

 

O EMPRESÁRIO

 

Seu primeiro emprego foi no DRF-DNER, em Manaus/AM. 1963;

 

Em 1965, fez o concurso para o Banco do Brasil e foi lotado na cidade de Coxim/MS;

 

Em 1968, pediu exoneração e passou a trabalhar como empresário na J. FERREIRA & CIA – Coxim/MS;

 

Em 1972, mudou-se para Porto Velho/RO, onde manteve sociedade com os irmãos Cipriano, Lúcio, Jorge, Adelino, Adamor e Alan que já se encontravam desenvolvendo um trabalho na área comercial e industrial.

 

Foi empresário e sócio proprietário das seguintes empresas:

 

- GURTEME – Gurgel Técnica de Máquinas e Equipamentos Ltda, Porto Velho/RO (1972-1994);

 

- COTA – Construtora da Amazônia Ltda. Porto Velho/RO (1975-1983);

 

- GURTEME – Materiais de Construção Ltda. Porto Velho/RO (1983-1997);

 

– Mercantil PH Ltda. Porto Velho/RO (1987-1998).

 

De 1998 a 2001, passou a atuar como Assessor Técnico da COTA Construtora Amazônia SA.

 

 

CARGOS ADMINISTRATIVOS

 

Ocupou os seguintes cargos:

 

- Conselheiro do Conselho Regional de Economia-CORECON – 1989;

 

- Vice-presidente do Aeroclube de Rondônia – 1990;

 

– Assessor Especial da Secretaria da Fazenda – SEFAZ – 1990;

 

– Diretor do Departamento de Indústria e Comércio/SEAGRI - 1990-1991;

 

– Diretor do Departamento de Indústria e Comércio/SEAGRI - 1991 – 1992;

 

– Vice-Presidente do Conselho Estadual de Recursos Fiscais – Governo do Estado de Rondônia/SEFAZ – 1991;

 

– Presidente da Diretoria Executiva da ACR – Associação Comercial de Rondônia por dois mandatos: 1993-1994 e 1994 – 1996;

 

- Presidente da Diretoria Executiva da FACER – Federação das Associações Comerciais do Estado de Rondônia por dois mandatos: 1993 – 1994 e 1994 – 1998;

 

- Secretário do Estado da Administração – SEAD - 1996 – 1998;

 

 

A POLÍTICA

 

De 1992 a 1996 foi Vereador do Município de Porto Velho/RO;

 

De 1995 a 1996 foi Presidente da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Porto Velho/RO;

 

Em 1992, recebeu o título de Cidadão Honorário do Município de Porto Velho, concedido pela Câmara Municipal;

 

No período de 1994 a 1997 foi Presidente do Diretório Municipal – PFL – Partido da Frente Liberal Porto Velho/RO.

 

 

A MAÇONARIA

 

1985 – 1986 – Venerável Mestre da Loja Maçônica “Estrela Renascente N 02”;

 

1986 – 1992 - Grão Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Rondônia (GLOMARON);

 

1986 – 1992 – Oficial Executivo da Ordem D´Molley nos Estados de Rondônia e Acre;

 

1988 – 1991 – Soberano Inspetor Litúrgico do Grau 33 para o Estado de Rondônia do Rito Escocês Antigo e Aceito da República Federativa do Brasil, no Estado de Rondônia.

 

 

PUBLICAÇÕES

 

Orlandino, como era conhecido, gostava muito de escrever. Publicou mais de 100 artigos e crônicas nos diversos Jornais locais, deu muitas entrevistas em rádios e TVs e ministrou várias palestras sobre os mais diferentes temas.

 

Em 2002, prefaciou o livro “A Flecha: Ariquemes, Colonização e Rapto na Selva”, de Confúcio Moura.

 

Em 2006, escreveu um livro sobre os 77 anos da Associação Comercial de Rondônia. Um relato que conta também a história da formação e criação do Estado de Rondônia. Desejou muito que esse livro chegasse as mãos dos estudantes do Ensino Médio. Era um apaixonado pela história e memórias do Estado de Rondônia. Disse ele em seu livro: “Todas as grandes ideias, projetos e assuntos de interesse de Rondônia, foram debatidos no âmbito da Associação Comercial, ao longo de sua existência. Nenhuma outra entidade prestou serviços de forma mais presente e definitiva ao povo e às Instituições do Estado. Os demais sistemas representativos do empresariado hoje existente, todos, sem exceção de nenhum, para poder existir e se afirmarem, tiveram o apoio da Associação Comercial”.

 

 

O IIPC – INSTITUTO INTERNACIONAL DE PROJECIOLOGIA E CONSCIENCIOLOGIA.

 

Desde 2006, já aposentado, dedicou-se, exclusivamente, ao IIPC. O IIPC é uma instituição científica de ensino e pesquisa, fundada em 1988, reconhecida em todo o mundo e possuidora do título federal de utilidade pública por Decreto Federal. Sua sede é em Foz do Iguaçu-PR. Em Porto Velho, desde a metade da década de noventa, voluntários mantinham um pequeno Núcleo do IIPC, sendo que, a partir de 2003, passou a pertencer a estrutura do CEA da cidade de Manaus. Já em 2006, após fortalecer melhor o grupo, o Núcleo PVH transformou-se no Centro Educacional de Autopesquisa (CEA-Pvh). No Instituto, foi pesquisador, professor voluntário e Coordenador, em Porto Velho/RO. “A Conscienciologia, traz, a inovadora proposta de se empregar o conhecimento e domínio dos fenômenos parapsíquicos ou paranormais, como ferramenta de pesquisa no entendimento de nós mesmos e da nossa integral natureza humana. As doutrinas, seitas, religiões, crenças de quaisquer matizes, poderiam muito se engrandecer e a seus seguidores, se adotassem a pesquisa e o questionamento nas suas práticas, admitindo que, rigorosamente, nada é imutável e que tudo é movimento.”

 

 

Antônio Orlandino Gurgel do Amaral, faleceu em 03 de dezembro de 2020, vítima da COVID-19, com 76 anos de idade. Gostava de poesias, sabia muitas e as recitava sempre que podia. Um leitor voraz. Lia de tudo e escrevia sobretudo a respeito de assuntos atuais. Um estudioso autodidata.

 

Gostava de pilotar avião e barcos pequenos. Tinha muito orgulho de ser caboclo e morar na Amazônia. Não dispensava um tambaqui assado na brasa ou um tucumã com café. Pegou muitas malárias abrindo estradas para a formação do Estado de Rondônia, juntamente com seus irmãos.

 

Nossa homenagem a este homem íntegro, honesto, bom esposo, pai, avô, bisavô, filho, irmão, tio, cunhado, genro e amigo. Lutador incansável pelo bem e evolução da humanidade.

 

 

Para encerrar, um pequeno texto escrito em seus momentos de reflexão:

 

(12/02/2013 – às 8:00 horas)

 

Que fascínio é viver! A um tempo você é corpo biológico com todos seus atributos e necessidades para seu funcionamento e vida. Em outro, é uma consciência ou inteligência eterna, uma personalidade que precisa desse corpo para bem se manifestar neste plano físico!

 

Entre uma ponta e a outra, coexistem um sem números de situações como estações de uma estrada ou linha férrea, onde a locomotiva consciência se reabastece e retoma a marcha.

 

O desconhecido ponto de chegada – se é que chega de fato a algum ponto final – causa erros de percurso e escolha em direção e velocidade, medos e recomeços ... Avançar é preciso!

 

A cada estação ultrapassada, você já quase não recorda ou apenas quase lembra, porém é certo que o arquivo de conhecimento enriquece muito.

 

Antônio Orlandino Gurgel do Amaral

 

Direito ao esquecimento

Você acha que os escândalos do Governo Bolsonaro prejudicam a pré-candidatura à reeleição?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS