Momento Lítero Cultural - Por Selmo Vasconcellos

Momento Lítero Cultural - Por Selmo Vasconcellos

Foto: Divulgação

 

RICARDO  ALFAYA – Rio de Janeiro, RJ – NOSSA  HOMENAGEM  POÉTICA

Ricardo Alfaya, formado em Direito, pela UFRJ e em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Escreve Poesias, Contos, Crônicas, Resenhas, Artigos e Ensaios.


MOMENTO
Para Selmo Vasconcellos

No céu
De Selmo
As luzes são poemas

Na terra
De Vasconcellos
O momento
É pleno movimento
Lítero cultural
***
COBRANÇA

Estou na marca do pênalti
Pronto pra me apaixonar por ti

Se não me chuta pra fora
***
FIRMAMENTO

Quando eu morrer
E virar santo
Entrarei no céu
E me adaptarei
Sem qualquer espanto
Mas por enquanto
O que eu quero
É muita vida
Pouco pranto
E mais que tudo
Corpo desnudo
Ir ao fundo de você
***
NOTA DE RODAPÉ

As noites dançam
Conforme a musa
As noites passam
No rodopio dos pés
Balés
Boleros
Músicas curvas
Céus que desabam
Estrelas

 

  

***

MULHER NO CAMPO ENTRE MARGARIDAS

 

Encontro em meu canto

a mulher do campo

Flagro-a plantando meu futuro alimento

Olho-a de longe

com meu olhar suspenso

na esperança de colher um sorriso branco

***  

GRAVIDADE

 

Não sei bem o que me traz

se a seca da água

se o pranto da Terra

Sei talvez o que me trai

o jeito de sonho

de completo abandono

O que me leva

ora é o vento

ora

a névoa

***  

BALANÇO

 

Dois olhos

Dois braços

Dois seios

Duas pernas

Um poema

***  

SAUDADE

 

Saudade é sal

Nos olhos

Faz chorar

***  

PRAIA

 

O Sol

brilha

em você

***  

 
 

AUTORRETRATO

 

Filme os arredores,

grave múltiplos sons.

Faça o que fizer,

diga o que disser,

pinte o que pintar

— triste sina —,

não há como sair de si.

Todo ato termina

em autorretrato.        

***              

QUADRO

 

Pintou a parede

e chorou.

A lágrima pingou

em azul cobalto.

Era um pintor.

Parou.

Desceu da escada.

Enrolou jornais,

latas e pincéis.

Guardou tudo.

Era preciso dar um tempo.

Era preciso que a tinta

secasse dos olhos.

***  

FARTO

  

Em que pesem as cicatrizes dos atos,
em que pense nos desenganos dos fatos,
conduzo ainda no rosto um sorriso... Farto.       

***

ONTEM & HOJE S.A.     

Doces, tabuleiros e meninos
vendidos numa rua do Centro,
durante o sobe e desce da Bolsa,
por qualquer besteira.

E entre uma e outra especulação,
no desencontro das ofertas de mercado,
maiores e menores segue abandonados.

***
GRAVIDEZ

 

A rua espera um menino
para ainda este mês.
O filho indigente da vez.

*** 

EXPOSIÇÃO PÚBLICA

 

Passeio meu corpo
de palavras nuas
pelas ruas de papel.

*** 

DOS RELÓGIOS

 

De ouro ou de cobre,
nenhum relógio tem
um tempo que sobre.

***  

TELEFONIA

 

Alguém me atenda,
alguém me entenda.
Não me deixem fora do gancho.

*** 

CLOSE

 

Esta foto de roto mostra
pequena amostra
do interior
deste
produto
interno
bruto

***

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS