Perda ou Perca - por Marcos Lock

O carro deu “perca” total. Lamentável...para o carro e para a língua

É muito comum a confusão entre esses dois termos e não raro até pessoas letradas costumam empregá-los de forma errada. Vamos imaginar o seguinte trecho de um possível diálogo entre dois estudantes. Um diz: “Meu pai não quer que eu perda o prazo de inscrição da bolsa de estudo”.  O outro responde: “É preciso tomar cuidado porque neste período de férias sempre há perca de prazo”. 
 
Os termos perda e perca foram usados de maneira equivocada por ambos os alunos. Será que eles perceberam o engano? Também costumamos ouvir por aí diante de um acidente que o carro “deu perca total” ou ainda “que isso é uma perca de tempo”. O correto, caros amigos, é dizer “perda total” e “perda de tempo”.
 
Esta questão do nosso idioma, mais comum do que se imagina, me inspira a esclarecer a diferença de uso destas duas palavras. Vamos lá: os vocábulos perca e perda são parônimos, ou seja, possuem grafia e pronúncia semelhantes, o que explica porque eles são tão confundidos. Vamos decifrar o seu significado:  
 
Perca é uma forma verbal, ou seja, é uma flexão do verbo perder e aparece as-sim: “Não perca tempo!” (3ª pessoa do singular do imperativo); “Não quero que ele  perca essa vaga.”; “Espero que ele não perca a cabeça ao conversar com ela.” (3ª pessoa do singular do presente do subjuntivo)
Já perda é um substantivo que significa prejuízo ou um dano sofrido. É fácil saber porque sempre que for substantivo, admitirá um artigo antes. Repare nestes exemplos: “Carolina está triste, pois a perda do pai a abalou muito.”; “Em razão da perda de sua cunhada, Talita estava muito triste.”; e “A perda da partida provocou a rebelião da torcida.”
 
Então, recapitulando: perca é sempre verbo e é a flexão do verbo perder. Já perda é sempre substantivo. Só para registrar, a expressão que traduz prejuízo de patrimônio é “perdas e danos” e não “percas e danos”.
 
Até a próxima coluna, amigos leitores!
 
 
(*) Marcos Lock é jornalista profissional e professor de Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Rondônia (Unir)
 
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
DÚVIDAS E SUGESTÕES PARA ESTA COLUNA DEVEM SER ENVIADAS PARA O WHATSAPP (69) 9.9328-1521, AOS CUIDADOS DO PROFESSOR MARCOS LOCK.
Direito ao esquecimento
Como você avalia o trabalho do deputado estadual delegado Rodrigo Camargo?
Como você avalia a gestão da prefeita Sheila Mosso em Chupinguaia?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS