A lenda do Machiquerou - Por Paulo Saldanha

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES
A LENDA DO MACHIQUEROU
 
Meu amigo de longa data, o José Maria dos Santos, líder e ativista dos interesses dos povos da floresta, um dos poucos leitores que possuo, admirador do capitão Alípio, sem que eu esperasse questionou-me se eu conhecia a história do Machiquerou.
 
– Zé, devolvi, que personagem será esse?
 
– É um bicho estranho, vive nos confins dos rios, principalmente aonde tem muita pedra em seus leitos, temido pelos índios e beradeiros, com ambiência no rio Pacaas Novos...
 
O Zé Maria tem vivências e muitas histórias para contar e escrever. Homem íntegro tem uma legião de amigos, muitos deles ajudou a crescer e a elevar como seres humanos, à imagem e semelhança de Deus, Pai e Criador. 
 
Nesta Amazônia única e deslumbrante há mistérios tais, que não conhece a nossa vã filosofia...
 
Por conta então das lendas, há uma infinidade de entidades que permeiam o imaginário dos povos das matas, com reflexo naqueles urbanos das pequenas localidades. E eis que pontifica nesse meio o mapinguary, a mula-sem-cabeça, o vira-porco, o caipora, etc, etc.
 
E eu, amazônida da gema, assim como o José Maria dos Santos reconhecemos que, no seu ventre, esta região tem segredos e singularidades que despertam questionamentos e a atenção de cientistas e curiosos.
 
Falta decifrar, por exemplo, o porquê de os indígenas (e outros nativos) terem olhos amendoados, a exemplo dos esquimós, chineses e japoneses! E me sobrevém a teoria do estreito de Bering, que permitiu a vinda de asiáticos, fugindo do frio mais que intenso, quando lagos e mares ficaram congelados, facilitando a passagem humana por aquele espaço marítimo.
 
Como interpretar que aqui no rio Pacaás Novos tenha o idioma Xapacura, cujas palavras possuem raízes esquimós (?).
 
Todavia, convém retornar a esse meu companheiro de fisioterapia, que me induziu a desvendar um enigma vivenciado lá no alto rio Pacaás Novos, no seringal São Luiz, na época pertencente ao Manoel Lucindo da Silva.
 
Revelação que me faltou competência para decodificar...
 
Poder-se-ia, ante a brutalidade com que agia, dizer que se trata de uma fera, com habitat às margens dos rios, notadamente próximo de poços fundos, tendo como característica o fato de soltar labaredas de fogo, chamas essas que queimam pessoas, coisas e árvores, daí o pavor que se instala (instalava) nas comunidades dos povos da floresta, quando os circunstantes sentiam a sua presença.
 
Há, inclusive, uma narrativa de que, durante um trágico encontro este matou um índio e deixou outro com parte do corpo bem queimado.
 
O índio sobrevivente chama-se Iri, que vive na aldeia São Luiz, quase na nascente do rio Pacaás Novos, na Serra do Tracoá.
 
Há um relato dando conta de que esse animal tem a aparência de uma ariranha enorme, grande e agressiva.
 
Numa enchente fora de época teria sido a última vez que o machiquerou fora visto. Acredita-se que com essa cheia, uma verdadeira inundação, uma alagação quase tão grande quanto a de 2014, ele evaporou, sumiu, desapareceu...
 
Como o personagem animalesco ficou famoso, um seringalista do entorno homenageou-o com o nome da sua embarcação.

 

Direito ao esquecimento

Em qual desses quatro pré-candidatos você votaria se as eleições fossem hoje?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS