ASSISTA: Julgado a pena de morte, 'PSG' rasgou duas vezes camisa de facção

Paulo César foi levado até o local após ser julgado a morte pelo tribunal do crime

ASSISTA: Julgado a pena de morte, 'PSG' rasgou duas vezes camisa de facção

Foto: Richard Nunes /Rondoniaovivo

Julgado a sentença de morte por ser pego na cama com a mulher de um presidiário,  Paulo César Sampaio Gonçalves, 20, tinha o apelido entre as facções criminosas de "PSG" e era suspeito de vários crimes na capital. O corpo dele foi encontrado na tarde de ontem (16) por investigadores da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Vida (DECCV) na fundiária de uma fazenda no Ramal Morrinho, gleba Rio Madeira, quilômetro 30, zona rural de Porto Velho (RO).
 
Paulo César foi levado até o local após ser julgado a morte pelo tribunal do crime. Ele foi executado com um tiro na cabeça quando estava ajoelhado, segundo a polícia.
 
Membro de facção rasgou a camisa duas vezes
 
O Rondoniaovivo recebeu informações de fontes policiais que "PSG", como era conhecido Paulo César, já tinha passagem no sistema prisional. Na época em que foi preso, ele seria membro da facção criminosa Comando Vermelho (CV). No entanto, dentro da cadeia rasgou a camisa do CV e passou para a facção rival Primeiro Comando do Panda (PCP).
 
Depois de ganhar liberdade, Paulo César gravou um vídeo, divulgado nas redes sociais, em  que novamente passa a integrar a organização criminosa Comando Vermelho (CV). "Eu tô voltando para a camisa, vou representar a partir de hoje", diz ele em um trecho do vídeo.
 
Assista:
 
 
 
Investigado por latrocínio e homicídio
 
Paulo César, segundo ainda com fortes policiais, era apontado como o autor de diversos delitos durante o envolvimento dele com facções criminosas.
 
Recentemente, "PSG" vinha sendo investigado como um dos autores do latrocínio de um garimpeiro e também de um homem morto dentro de casa na região Central de Porto Velho.
 
A Delegacia de Homicídios, sob o comando da delegada Leisaloma Carvalho, segue investigando para tentar prender os autores da execução a tiro de Paulo César.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS