BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DENÚNCIA: Associação aponta retirada ilegal de litorina e kalamazoo da Madeira Mamoré

Foi solicitado ao Ministério Publico Estadual - MP/RO, Policia Federal - PF, através da Delegacia de Meio Ambiente, e ao IPHAN, que seja feita a devolução desses dois bens

Assessoria

06 de Março de 2020 às 15:58

Foto: Divulgação

Segundo o Presidente da Associação dos ex-ferroviários da Estrada de Ferro Madeira Mamoré - EFMM, Sr. José Bispo de Morais, de 85 anos de idade, está acontecendo uma ação de “clandestinidade” em relação ao “restauro” de 2 (dois) bens móveis tombados.

 

“Isso que estão fazendo é um trabalho de amadorismo em cima da nossa história. Eles tiraram a litorina e a kalamazoo e sequer nos comunicaram, na calada da noite, sem projetos. O vereador Palitot já sabia que tínhamos o projeto para fazer o restauro desses bens e ainda para acabar de completar, colocaram em uma empresa que não tem atuação nessa área, e nem profissionais qualificados para realizar a restauração desses patrimônios tombados”, afirmou o vice-presidente dos ex-ferroviários, George Teles.

 

No inicio do mês, o presidente da Associação dos ex-ferroviários, José Bispo, protocolou no gabinete do vereador Aleks Palitot um oficio contestando as ações do vereador contra a Associação dos ex-ferroviários, informando a ele que a ideia de fazer os passeios turísticos partiu da Associação e não de seu gabinete.

 

Também nesse ofício, a associação alega que Palitot teria apresentado três pessoas como ex-ferroviários, fato que segundo eles foi realizado de forma inverídica. Ainda de acordo com a associação, o mais novo ex-ferroviário tem 85 anos de idade, o que não encaixa com os que foram "apresentados" pelo vereador. 

 

 

“A Associação dos ex-ferroviários nunca apoiou as ações do vereador dentro da EFMM, porque já percebíamos a intenção dele que era aparecer no período eleitoral, a falta de respeito desse senhor foi muita a ponto de insinuar que estaríamos fazendo atos errados na Ferrovia e nessa altura da vida exijo respeito desse cidadão, e não preciso passar por cima de ninguém, e nem humilhar as pessoas para conseguir fotos em cima de uma coisa que não fiz”, afirmou o presidente da associação, José Bispo.

 

Foi solicitado ao Ministério Publico Estadual - MP/RO, Policia Federal - PF, através da Delegacia de Meio Ambiente, e ao IPHAN, que seja feita a devolução desses dois bens móveis ao pátio ferroviário e que seja feito um projeto com técnicas para alcançar o resultado da proposição do restauro com aprovação da equipe técnica do IPHAN.

 

Confira ofício:

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS