BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

COVID-19: Farmacêutico morre após testar medicamento criado por ele

O pesquisador desenvolveu um xarope para tentar curar a doença mas acabou morrendo no teste

NOTÍCIAS AO MINUTO

11 de Maio de 2020 às 11:13

Atualizada em : 11 de Maio de 2020 às 11:19

Foto: Divulgação

 

NOTÍCIAS AO MINUTO - Um farmacêutico morreu e o seu chefe foi hospitalizado, depois de beberem um xarope fabricado por eles, que esperavam poder curar a covid-19, informaram hoje as autoridades. Os dois homens trabalhavam para uma empresa especializada em fitoterapia (estudo dos efeitos medicinais de plantas) e experimentaram o suposto tratamento -- uma mistura de óxido nítrico e nitrato de sódio -- em Chennai, no sudeste da Índia.

 

K. Sivanesan, de 47 anos, morreu no local do teste e o seu chefe foi levado de emergência para o hospital, segundo o chefe da polícia local, Ashok Kumar.
 
Sivanesan desenvolveu a sua fórmula pesquisando na Internet e comprando os ingredientes num mercado local, segundo as autoridades. Atualmente, não existe qualquer medicamento ou vacina para a covid-19, o que tem levado a uma corrida mundial para encontrar uma cura para esta doença que já matou quase 300.000 pessoas.
 
Na Índia já foram identificados cerca de 60.000 casos de contaminação, tendo o Governo imposto duras medidas de contenção do novo coronavírus.
 
A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 284 mil mortos e infectou mais de 4,2 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de 1,5 milhões de doentes foram considerados curados. A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.
 
Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 bilhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.
 
Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, vários países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS