BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

VIAGENS: Aéreas terão de devolver US$ 35 bilhões em passagens não utilizadas

A Associação Internacional de Transporte Aéreo publicou nova análise, na qual mostra que as companhias podem queimar US $ 61 bilhões em suas reservas de caixa no segundo trimestre

Correio Braziliense

31 de Março de 2020 às 10:58

Foto: Divulgação

A situação das companhias aéreas de todo o mundo segue dramática. A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) anunciou, nesta terça-feira (31/3), que as empresas terão de devolver US$ 35 bilhões em passagens aéreas compradas e não utilizadas. Além disso, a perda líquida trimestral estimada para o período encerrado em 30 de junho de 2020 é de US $ 39 bilhões.

 

Essa análise é baseada na avaliação de impacto divulgada na semana passada, em um cenário em que restrições severas de viagens duram três meses, segundo o qual a demanda no ano inteiro cai 38% e as receitas de passageiros recuam US$ 252 bilhões em comparação a 2019. 

 

Além dos custos inevitáveis, as companhias aéreas enfrentam o reembolso de bilhetes vendidos, mas não utilizados, como resultado de cancelamentos em massa resultantes de restrições impostas pelo governo às viagens.

 

“O passivo do segundo trimestre é de US $ 35 bilhões colossais. A queima de dinheiro será grave. Estimamos que as companhias aéreas possam queimar US $ 61 bilhões em seus saldos de caixa no segundo trimestre”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata.

 

“As companhias aéreas não podem cortar custos com rapidez suficiente para ficar à frente do impacto desta crise. Esperamos um prejuízo líquido devastador de US $ 39 bilhões no segundo trimestre.

 

O impacto disso na queima de caixa será ampliado por um passivo de US $ 35 bilhões para possíveis reembolsos de ingressos. Sem alívio, a posição de caixa do setor pode se deteriorar em US $ 61 bilhões no segundo trimestre”, calculou.

 

Segundo ele, vários governos estão respondendo positivamente à necessidade do setor de medidas de alívio, entre eles o do Brasil. Entre os países que fornecem pacotes específicos de ajuda financeira ou regulatória para a indústria estão Colômbia, Estados Unidos, Cingapura, Austrália, China, Nova Zelândia e Noruega.

 

O Brasil, o Canadá, a Colômbia e a Holanda relaxaram os regulamentos para permitir que as companhias aéreas ofereçam comprovantes de viagem aos passageiros no lugar de reembolsos.

 

“Viagens e turismo são essencialmente encerrados em uma situação extraordinária e sem precedentes. As companhias aéreas precisam de capital de giro para sustentar seus negócios através da extrema volatilidade.

 

Canadá, Colômbia e Holanda estão dando um grande impulso à estabilidade do setor, permitindo que as companhias aéreas ofereçam vouchers no lugar de reembolsos em dinheiro. Isso é vital para que o setor possa continuar funcionando e possa  entregar as remessas de carga que são vitais hoje e a conectividade de longo prazo de que os viajantes e as economias dependerão na fase de recuperação”, acrescentou Juniac.

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS