RECURSO DAS USINAS: Jean Oliveira afirma que Hildon Chaves foi ingrato com deputados

De acordo com Jean Oliveira, o prefeito da capital de Rondônia entregou obras com recursos que tão somente conseguiu com a ação dos deputados estaduais

DA REDAÇÃO - João Paulo Prudêncio

20 de Fevereiro de 2020 às 10:30

Foto: Divulgação

Na primeira sessão de 2020 realizada pela Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia – ALE/RO, o deputado Jean Oliveira (MDB), teceu severas críticas ao prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), afirmando que ele teria agido com atitude de ingratidão com parlamentares da Casa de Leis.

 

De acordo com Jean Oliveira, o prefeito da capital de Rondônia entregou obras com recursos que tão somente conseguiu com a ação dos deputados estaduais em prol do município, porém ao anunciar esses serviços em um evento realizado recentemente, Chaves não falou sobre esse fato e sequer mandou um convite aos legisladores do Estado.

 

Esse recurso trata-se dos R$ 81 milhões de compensação ambiental e social pagos pelo Consórcio Santo Antônio Energia para aumentar a cota do reservatório da hidrelétrica. Desse valor, R$ 51 milhões foram para o interior do Estado e R$ 30 milhões para Porto Velho.

 

“Final de semana passada o prefeito de Porto Velho fez um evento falando sobre esses R$ 30 milhões para a cidade de Porto Velho e sequer mandou um convite para aqueles que foram de fundamental importância”, afirmou Jean Oliveira.

 

O deputado afirmou que Hildon foi ingrato e deixou sua manifestação pública de tristeza. “Quero aqui manifestar minha tristeza, dizer que isso é uma demonstração de ingratidão, fica aqui meu voto de tristeza ao prefeito de Porto Velho Hildon Chaves”, finalizou Jean Oliveira.

 

Relator do projeto na época, o deputado Adelino Folador, também reiterou as palavras de Jean Oliveira e garantiu que esse recurso foi um trabalho em conjunto dos deputados. “Com certeza o deputado Jean reclamou com razão, porque essa Assembleia teve participação direta”, finalizou.

 

Confira vídeo:

 

Direito ao esquecimento