BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

CONFUSÃO: PM é acionada após discussão entre vereadora e enfermeira

A discussão entre as duas chamou a atenção dos que estavam no local

Rondoniaovivo

11 de Julho de 2019 às 11:56

Na manhã desta quinta-feira (11) um princípio de tumulto foi registrado na Policlínica Ana Adelaide entre uma enfermeira que trabalha no local e a vereadora Cristiane Lopes (PTB), que acompanhava um familiar que buscava atendimento na unidade de saúde. A Polícia Militar foi acionada.

 

O repórter William Ferreira “Homem do Tempo” foi até o local, e registrou a condição a qual os pacientes estão sendo expostos na policlínica e conversou com as partes envolvidas na confusão.

 

De acordo com a enfermeira Geane, a confusão começou após ela ter saído da sala de atendimento para ir ao banheiro, no momento em que retornou foi interpelada pela vereadora, que passou a indagar o que ela estava fazendo fora do local enquanto havia pacientes chorando de dor há mais de uma hora sem conseguir atendimento.

 

Eu fui ao banheiro como toda pessoa normal e retornei ao trabalho. Ela (vereadora) insistiu em ficar na sala e começou a instigar os pacientes contra os servidores da unidade. Eu pedi para ela parar com isso. Não sabia que ela era vereadora e muito menos repórter”, afirmou a enfermeira.

 

Segundo a vereadora Cristiane Lopes, ela chegou ao local acompanhando um paciente, sem se identificar e com a ficha de atendimento comum. No momento em que estava aguardando o médico ela passou a ouvir a reclamação das pessoas que estavam no local.

 

Eu não cheguei aqui me identificando. Cheguei como acompanhante, agora essa servidora querer me afrontar; ela me tratou com ignorância; pedindo para eu me retirar. Eu perguntei onde ela estava e ela me disse que estava fazendo c.... Se ela faz isso comigo, imagina com uma pessoa mais humilde?! Se o prefeito está fazendo errado ele vai pagar por isso, mas os servidores tem que tratar os cidadãos com dignidade”, afirmou Cristiane Lopes.

 

Após a confusão os pacientes que estavam aguardando serem atendidos pelo médico continuaram na fila de espera, em alguns casos, chorando de dor há mais de uma hora.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS