BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

‘Nunca ameaçamos ele’, afirmam sogros de padeiro executado na capital

‘Nunca ameaçamos ele’, afirmam sogros de padeiro executado na capital

Da Redação

22 de Julho de 2016 às 09:38

Foto: Divulgação

Dois violentos crimes envolvendo um casal na capital, que morava na zona Leste chamou a atenção das autoridades policiais e comunidade local. Os assassinatos aconteceram em postos distintos em um período aproximado de dois meses.

A primeira morte foi registrada no dia 15 de maio, quando a professora Ângela Maria Veloso da Silva, morreu vítima de disparo de arma de fogo no estacionamento de uma casa de shows em Porto Velho, após o show da dupla “As Coleguinhas”.

Na última quarta-feira (20), o marido de Ângela, o padeiro Ismael Rodrigues Barreto de 53 anos foi assassinado com três disparos de arma de fogo, quando saía de casa para entregar pães. O homem foi atacado por uma dupla, que fugiu tomando rumo ignorado. Após a morte de Ismael, familiares no local do crime chegaram a afirmar, que o padeiro estava recebendo ameaças, possivelmente por parte da família de Ângela.

Os pais da professora procuraram a equipe de reportagem e afirmaram desconhecer qualquer tipo de ameaça ou desconfiança feita por eles à Ismael.

O casal, Antônio Rodrigues da Silva e Antônia Araújo Veloso, disseram que foram vítimas da fúria de Ismael, que queria tomar posse de documentos de Ângela e quando teve o pedido negado fez serias ameaças a Antônia, que registou ocorrência.

Vizinhos e a polícia disseram ao casal, que na casa onde Ismael e Ângela moravam estava funcionando uma boca de fumo conhecida como “Boca do Padeiro”, e o homem estava em atrito com traficantes daquela região.

A residência onde Ismael morava e mantinha uma pequena panificadora é propriedade dos pais de Ângela, que estavam moram em um sitio.

Investigações policias apontam, que Ismael possuía passagem pela polícia pelos crimes de tráfico de drogas e estupro.

“A casa e a padaria que eles moravam foi uma ajuda que nós demos a eles, nunca realizamos nenhum tipo de ameaça contra Ismael e também nunca desconfiamos que ele tivesse envolvimento na morte de nossa filha”, afirmaram os pais da professora morta.

A polícia descarta envolvimento de Ismael com a morte de Ângela Maria Veloso, tudo apontou que o crime foi uma fatalidade, bala perdida. Dois dos acusados estão presos. A polícia busca informações para elucidar a morte do padeiro.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS