BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

ASSFAPOM - Associação recebe novas denúncias em relação a constrangimentos sofridos por praças

1° – Mesmo tomada a providencia de denunciar a situação do CHAVEIRO DA RECEPEÇÃO DO 1° BPM, conforme relatos de PM´s, a situação continua da mesma forma, isto é, policiais são obrigados a carregar o objeto quando de plantão.

Da Redação

26 de Março de 2011 às 21:23

Foto: Divulgação

Denuncias

1° – Mesmo tomada a providencia de denunciar a situação do CHAVEIRO DA RECEPEÇÃO DO 1° BPM, conforme relatos de PM´s, a situação continua da mesma forma, isto é,  policiais são obrigados  a carregar o objeto quando de plantão.

2° – Policiais Militares informaram que estão sendo submetidos a tirar serviço, de Radio Patrulha, em veículos sem condições de uso. Quando não há veículos locados pelo Estado, carros que estão, conforme ficha de controle, com diversas alterações, também são utilizados para o serviço, tornando o trabalho preocupante, caso o militar, que exerce a função de motorista, se envolver em acidente, se não vier a óbito, deverá arcar com os danos materiais. Mesmo não recebendo gratificação para tal.

3° – Os Supervisores SGT PM´s, estão sendo obrigados a passar do seu horário de serviço cerca de 2 horas, mesmo sem receber hora extra, para serem ouvidos pelo chefe da seção operacional, para que o oficial possa ter conhecimento verbal direto, de toda alteração, mesmo existindo um relatório de serviço, onde consta todas as informações necessárias para tal. “Não agüento mais essa situação vexatória, sou profissional de segurança pública e não posso aceitar esse tipo abuso, pois o Estado não me paga hora extra.” finalizou: o SGT PM.

Solicitamos novamente ao Governo, Secretário de Segurança e demais Autoridades, que tomem providencias quanto às denuncias, pois já viraram fatos Típicos, tais humilhações e constrangimentos.

“A ASSFAPOM irá continuar o trabalho de fiscalização e estará atenta às denuncias, pois tais desrespeitos aos direitos dos Policiais Militares, não podem continuar.” Finalizou: Jesuino Boabaid.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS