VÍDEO: Homicídios faz reconstituição sobre a morte a tiro de mulher; marido foi preso

Sidney está preso preventivamente desde o dia do ocorrido acusado de matar a esposa e forjar um suicídio

A Polícia Civil, através da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Vida (DECCV) com apoio da Perícia Criminal realizam na manhã desta segunda-feira (17) a reconstituição da morte a tiro da jovem Glória Estefane de Jesus Vieira, 20, no último dia 21 de março deste ano em uma residência localizada na Rua Vila Mariana, na zona Leste da capital de Rondônia.
 
Sidney está preso preventivamente desde o dia do ocorrido acusado de matar a esposa e forjar um suicídio.
 
 
Entenda o caso
 
O homem, segundo a polícia, teria matado a mulher após flagrar ela beijando uma amiga durante bebedeira na residência. Para a polícia, Sidney alegou que a própria mulher teria se matado, o que a polícia não acredita devido as várias atitudes suspeitas que o homem teria tomado.
 
Ele declarou que após a morte da esposa teria ido primeiro na casa da mãe dele para depois chamar a Polícia Militar. Sidney trabalha como supervisor de uma empresa a serviço da Energisa e usava uma pistola calibre 9mm documentada.
 
A morte da jovem
 
O casal estaria em uma distribuidora de bebidas junto com amigos. Depois disso, os dois foram para casa continuar bebendo com um casal e uma amiga. Em determinado momento da bebedeira, a vítima e a amiga começaram a dançar juntas e teriam se beijado.
 
O marido de Glória Estefane ficou enciumado e pediu que as duas parassem com tal atitude. O casal logo depois começou discutir intensamente e os convidados foram embora do local.
 
O homem contou que após a discussão ele teria colocado a pistola dele calibre 9mm em cima de um guarda-roupas enquanto a esposa dizia que não aguentava mais ser traída por ele.
 
O acusado afirma queem meio a discussão foi na cozinha tomar água e quando retornou para o quarto a esposa estaria com a pistola dele na mão apontada para a cabeça afirmando que ia se matar. 
 
Segundo o marido, ela teria efetuado um disparo que atingiu seu próprio pescoço. O homem alega que teria percebido que a mulher já estava morta e não chamou de imediato o Samu.
 
Ele teria fechado a casa por volta das 02h30 e se dirigido até a casa da mãe dele. Somente por volta das 4h foi que o homem voltou até a residência e decidiu acionar a Polícia Militar.
 
A reconstituição
 
A Delegacia de Homicídios junto com o acusado, Perícia Criminal e uma testemunha que estaria minutos antes na residência participam do simulado para saber se a versão do acusado bate com os vestígios encontrados no dia do ocorrido.
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS