FRAUDE: Venda de veículos irregulares aumentam em RO e diretor da Ciretran alerta

Quem repassa os veículos e não formaliza a transferência responde pelo que acontece

FRAUDE: Venda de veículos irregulares aumentam em RO e diretor da Ciretran alerta

Foto: Divulgação

 

Com o número crescente de motocicletas com impostos atrasados que têm sido anunciadas para venda nos últimos meses em Vilhena e que também são conhecidas popularmente como “motos peidadas”, tendo inclusive pessoas que focam neste “ramo de negócio”, o diretor da Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) de Vilhena alerta para os riscos de se passar adiante um veículo com impossibilidade de transferência.
 
 
Em uma breve navegada pelas páginas de vendas das redes sociais, até mesmo em grupos de conversas, não é difícil se deparar com um anúncio de venda de motocicleta com a seguinte chamada: “veículo para sítio” ou “veículo peidado”.
 
 
Como já é de conhecimento geral, tais veículos anunciados dessa forma se encontram com algum problema na parte física ou, como é mais comum, com atrasos na documentação.
 
 
Em alguns casos, o débito chega a superar o valor da motocicleta, o que leva o proprietário a crer que vendendo conseguirá ter um lucro sobre o bem, que pode ser recolhido pela polícia a qualquer momento em uma fiscalização ou acidente.
 
 
No entanto esse “lucro” sobre a venda de veículos com documentação em atraso acaba sendo um verdadeiro “cavalo de tróia”, pois os prejuízos posteriores são incalculáveis, uma vez que este pode sofrer multas de trânsito e, na pior das hipóteses, ser utilizado na prática de crimes, levando junto o CPF do vendedor.
 
 
Em entrevista à reportagem do Folha do Sul, o chefe da Ciretran, Gustavo Ozeika, relatou que realmente é muito perigoso para o proprietário de qualquer veículo automotor realizar a venda sem efetuar o comunicado oficial da transação, que pode ser feito diretamente no cartório ou no próprio Ciretran, e que é uma segurança pra o vendedor, pois em caso de apreensão, mesmo o condutor sendo habilitado, a multa por atraso no licenciamento vai para o CPF da pessoa no qual o veículo está cadastrado e a pontuação para a CNH deste.
 
 
Já no caso do condutor ser inabilitado, a situação se agrava, pois de uma multa, salta para três, que são: licenciamento atrasado, conduzir veículo sem habilitação e entregar veículo para condutor inabilitado, mais pontuação na carteira que são todos de responsabilidade do proprietário. Lembrando que as duas últimas multas citadas podem passar de R$ 800,00 cada, sem contar as diárias de pátio.
 
 
Gustavo afirma ainda que 90% dos veículos aprendidos atualmente em Vilhena são por atrasos nos licenciamentos e que, apesar de estar crescendo o número de pessoas que aderem ao comércio desses, que segundo o Código de Trânsito não é ilegal, os vilhenenses costumam estar em dia com os impostos, sendo muitos oriundos de outros municípios.
 
 
A reportagem falou com um comerciante local que investe na compra e revenda de motocicletas com atrasos nos licenciamentos e este assegurou que todos os veículos que adquire não possuem registro de furto/roubo e nem registro de busca e apreensão, porém, todas as pessoas que compram esse tipo de motocicleta já estão cientes que se “cair” não tira mais.
 
 
O comerciante relatou ainda, que compra os veículos que revende por preços muito mais acessíveis, tanto em Vilhena como em outros municípios do Estado, como Cacoal, Rolim de Moura, Espigão D’Oeste, Presidente Médici, Ji-Paraná, dentre outros, e que sua clientela é composta na grande maioria por sitiantes.
 
 
Vale lembrar que IPVA e multas de trânsito atualmente vão para a dívida ativa, podendo haver bloqueio do CPF, sendo impossível a emissão da certidão negativa, o que acarreta na impossibilidade de fazer financiamentos em bancos, tomar posse em concursos públicos, portarias e em casos da pessoa já ser servidora, pode até mesmo ter o salário bloqueado.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS