MAIS PROCURADOS: Miliciano ligado a gabinete de Flávio Bolsonaro ficou fora da lista de criminosos

O ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega, acusado de comandar uma milícia no Rio de Janeiro, não foi incluído pelo Ministério da Justiça na lista dos criminosos mais procurados do Brasil, diz a Folha

painel político

31 de Janeiro de 2020 às 11:30

Foto: Divulgação

O miliciano, que está foragido há mais de um ano, é citado na investigação sobre a suposta “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro

 

O ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega, acusado de comandar uma milícia no Rio de Janeiro, não foi incluído pelo Ministério da Justiça na lista dos criminosos mais procurados do Brasil, diz a Folha.

 

O miliciano, que está foragido há mais de um ano, é citado na investigação sobre a suposta “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro, ainda quando o atual senador era deputado estadual na Alerj. Adriano teve duas parentes nomeadas por Flávio.

 

Ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega

 

O Ministério da Justiça e da Segurança Pública disse “que a lista dos criminosos mais procurados do país foi produzida a partir de uma metodologia baseada em critérios, como existência de mandado de prisão vigente; envolvimento em crimes graves e violentos e participação direta ou indireta em organização criminosa de caráter nacional”.

 

“Foram listados os criminosos mais procurados dentro do ‘score’ estabelecido por essa metodologia, e não todos os criminosos. No caso do réu citado pela Folha de S.Paulo, as acusações contra ele não possuem caráter interestadual, requisito essencial para figurar no banco de criminosos de caráter nacional”, diz a pasta comandada pelo ex-juiz Sérgio Moro.

Os 26 procurados

Direito ao esquecimento