PROCESSO: Família de mulher que morreu em hospital de RO denuncia negligência

Parentes da paciente dizem já ter entregado provas a advogado

Folha do Sul Online

18 de Março de 2020 às 16:57

Atualizada em : de de às

Foto: Divulgação

Uma irmã da auxiliar administrativo Renata Lima dos Santos, de 29 anos, que morreu no Hospital Regional de Vilhena, com suspeita de ter contraído dengue hemorrágica, entrou em contato com o FOLHA DO SUL ON LINE e anunciou que a família pretende ir à justiça contra a prefeitura.


 
De acordo com a familiar, Renata, moradora do Residencial União e mãe de uma menina de 08 anos, procurou a unidade de saúde ao sentir fortes dores abdominais. Ela também estava vomitando.


 
Nas três vezes em que esteve no HR, segundo relato da irmã, Renata foi medicada e mandada para casa. Na penúltima vez, ao perceber que, mesmo com a medicação, as dores persistiam, ela voltou à unidade, e foi atendida na emergência.


 
A irmã relata que a jovem deu entrada por volta do meio-dia, em 11 de março, e pouco depois das 19:00h, desmaiou na sala de medicação. Além de sofrer uma parada cardíaca, ela também teve um AVC.


 
Na sala vermelha, os médicos teriam conseguido, conforme conta a irmã, reanimar a paciente. Após o procedimento, ela foi colocada em coma induzido, mas morreu mais de quatro horas depois, sem ser levada para a UTI.


 
Para a família, houve negligência no atendimento a Renata. Nenhum ultrassom teria sido feito, e os profissionais, mesmo com o hemograma mostrando que ela estava com as plaquetas muito abaixo do normal, não a encaminharam para Porto Velho, única cidade de Rondônia onde o caso poderia ser resolvido.


 
“Se a equipe tivesse atendido corretamente, minha irmã ainda estaria entre nós. Já entregamos todas as provas ao advogado e pretendemos fazer justiça”, desabafou a entrevistada.


 
DENGUE HEMORRÁGICA


Embora no atestado de óbito de Renata conste, conforme garante a irmã, que a causa da morte poderia ser dengue hemorrágica, o exame confirmando ou descartando a suspeita ainda não ficou pronto.
 


Ainda assim, no entendimento da família, qualquer que seja o resultado do exame, o atendimento inadequado é que teria provocado a morte.


 
O OUTRO LADO


Ontem, logo após apurar os dados da denúncia, o FOLHA DO SUL ON LINE encaminhou a seguinte mensagem à equipe de Comunicação da prefeitura: “Atenção: a família da moça que morreu com suspeita de dengue hemorrágica vai processar a prefeitura por suposta negligência no Hospital Regional. Já a entrevistei e aguardo, até amanhã às 8:00h, a posição oficial do município sobre o caso”.


 
Duas horas após transcorrido o prazo dado pelo site, a resposta não foi enviada. Ainda assim, caso a prefeitura queira se manifestar, a FOLHA publicará o material remetido.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS