BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

ENERGISA: Em 2019, mais de nove mil famílias tiveram ligações elétricas regularizadas

A ligação clandestina pode ocasionar sérios acidentes e até em morte.

ASSESSORIA

07 de Janeiro de 2020 às 16:02

Foto: Divulgação

Tendo a segurança e a qualidade do serviço como valores indissociáveis para proporcionar conforto e bem-estar ao cidadão, em 2019, a Energisa Rondônia se aproximou ainda mais da comunidade e beneficiou mais de nove mil famílias com a regularização de ligações clandestinas, na região metropolitana de Porto Velho. “Na maioria dessas ligações, fizemos investimentos em novas redes e, em todas elas, foi feita instalação dos padrões de energia. Isso garante, além da energia segura e de qualidade, a cidadania para os nossos clientes”, destacou Willian de Pinho Barroso, gerente de medição e combate a perdas.

 

A medida, segundo ele, previne acidentes e até mortes, uma vez que ligação clandestina é um ato criminoso que representa grave ameaça à sociedade, com risco inclusive para quem faz o ‘gato’. “As redes elétricas estão no cotidiano de todos e, por mais modernas e seguras que sejam, precisam ser manuseadas, seja no campo ou na cidade, por profissionais da concessionária responsável pela área. No caso de Rondônia, apenas a Energisa ou quem ela autoriza, após análise técnica”, acentuou.

 

A pessoa que se arrisca fazendo ligação clandestina corre o risco de morte por choque elétrico ou queda de altura. “Para mexer na rede elétrica, o profissional da Energisa é submetido a uma série de cursos e especializações, ou seja, não é algo que qualquer um pode fazer”, destaca. “E tem mais, a ligação clandestina é caracterizada como furto de energia, crime previsto no Código Penal Brasileiro, artigo 155, com pena que pode chegar a até 5 anos de reclusão”, completa.

 

Como as ligações clandestinas representam cargas não previstas no sistema e são feitas de forma precária, há sobrecarga na rede que pode provocar rompimento de cabos e desligamentos não programados. “Quando precisar de ligação, a orientação é que a pessoa procure a Energisa, através dos nossos canais de comunicação, e faça o pedido para sua unidade”, orienta.

 

PREVENÇÃO

 

Apesar de ser uma atitude isolada, o ‘gato’ tem uma consequência coletiva e é por isso que, no Brasil, é considerado um crime, previsto em lei. Para evitar esse tipo de ato, além de regularizar as ligações, a Energisa tem atuado na orientação e disseminação da informação sobre os cuidados com a rede elétrica. “Ficamos preocupados quando vemos ou ficamos sabendo de uma pessoa, sem equipamentos de segurança e aparentemente sem conhecimento, mexendo na rede de energia. É necessário que o cuidado com a rede seja de todos nós”, avalia Willian Barroso.

 

ALERTA

 

De acordo com o Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), que apresenta a evolução dos acidentes de origem elétrica no país, em 2018, o Brasil registrou 537 casos de incêndios causados por curto-circuito, totalizando 61 mortes. Um crescimento de mais de 20% em relação ao ano de 2017. A maioria absoluta desses incêndios foi causada por instalações elétricas mal planejadas.

 

No mesmo ano, foram registrados 1.424 acidentes de origem elétrica. Desses casos 38% foram incêndios por sobrecarga e 59% foram choques. Ou seja, de acordo com a Associação, os eventos com choque elétrico lideram o ranking de acidentes de origem elétrica no país, com 836 registros. Ainda segundo a Abracopel, esses números somam os casos fatais e não fatais. As causas mais comuns atribuídas aos acidentes são as gambiarras elétricas, instalações elétricas antigas, falta de manutenção e o uso de uma mesma tomada para conexão de diversos equipamentos.

 

Saiba o que não pode ser feito na rede de energia ou próximo a elas:

 

· Instalar câmeras de vigilância, placas publicitárias, cabos de rede de internet e demais equipamentos particulares nos postes;

· Fazer instalações elétricas direto nos cabos dos postes. Além de perigoso é crime;

· Instalar, retirar ou adulterar medidores de energia;

· Realizar pintura de faixadas improvisando extensores no rolo de pintura;

· Fazer cercas ou alambrados sob a rede elétrica sem aterramento e/ou seccionamento;

· Subir em transformadores ou estruturas de rede de energia. Somente as equipes da concessionária estão habilitadas a fazer intervenções no sistema.

. Quer instalar uma antena, como fazer com segurança? Contrate um profissional qualificado e experiente;

· Garanta que a instalação será feita longe de para-raios e jamais interligue o cabo da antena aos condutores elétricos;

· Na hora da instalação não arremesse cabos sobre a rede elétrica. Mesmo eles estando encapados, a capacidade de isolamento do material pode não ser suficiente para evitar a passagem da eletricidade;

· Nunca faça a instalação em marquises. Elas estão próximas às redes elétricas;

· Não se aproxime ou toque na rede elétrica;

· O local ideal da instalação da antena é o lado oposto da fiação de energia elétrica.

 

MANUTENÇÃO NA REDE

 

Toda e qualquer necessidade de manutenção nas redes elétricas de distribuição devem ser realizadas pela Energisa. Para solicitar o atendimento é necessário entrar em contato pelo 0800 647 0120.

 

Caso se depare com as situações abaixo descritas, chame a Energisa:

• Cabo rompido, baixo ou próximo a marquises, varandas, faixadas, placas de lojas e painéis publicitários;

• Poste quebrado ou com estruturas visivelmente danificadas/quebradas;

• Árvores em contato ou muito próximas à rede;

• Construções/edificações sob a rede elétrica;

• Montagem de andaimes ou outras estruturas metálicas próximas à rede elétrica;

• Atividades de aterro ou escavação próximas aos postes;

• Cercas ou alambrados sem aterramento e/ou seccionamento.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS