BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

“Não vendemos bala na rua”, esclarece mestre de Tae-kwon-do

O professor e mestre de Tae-kwon-do Junior San, esclareceu para o jornal Rondoniaovivo que ele e sua equipe não vendem balas nas ruas, eles apenas pedem apoio aos munícipes e presenteiam a bala como agradecimento a generosidade de quem participa da causa.

Da Redação

23 de Junho de 2016 às 14:52

Foto: Divulgação

Nesta semana uma foto veiculada nas redes sociais durante a passagem da Tocha Olímpica na cidade de Porto Velho chamou a atenção da comunidade. A imagem mostrava um professor de Tae-kwon-do e afirmava que ele estava vendendo balas para custear despesas da sua equipe, enquanto a prefeitura liberava verba para a festividade da tocha.

O professor e mestre de Tae-kwon-do Junior San, esclareceu para o jornal Rondoniaovivo.com, que ele e sua equipe não vendem balas e nenhum tipo de produtos nas ruas, eles apenas pedem apoio aos munícipes e presenteiam com um doce, bala, como agradecimento a generosidade de quem participa da causa.

VEJA TAMBÉM: Genus inicia venda de ingressos para 1º jogo da final do returno

 

Junior também esclareceu, que a imagem que circula na internet não foi exatamente tirada no dia da passagem da chama olímpica, quarta-feira (22), como dita em alguns comentários, a foto tirada há aproximadamente três semanas.

Os lutadores de Tae-kwon-do que integram equipe do mestre Junior San, buscam apoio para participarem de um evento nacional que vai acontece no estado do Rio Grande do Sul no mês de Setembro, onde os atletas rondonienses poderão competir com lutadores de todo o país.

Com a equipe composta por 16 atletas, 2 técnicos e uma enfermeira dentro da equipe de apoio, o custo da ida dos rondonienses para essa competição acaba sendo impagável para a realidade dos competidores. O professor fez questão de esclarecer, que os atletas fazem parte de uma liga que foi criada há pouco tempo e que ainda não foi atrás de patrocínio público, prefeitura e governo. “Esse tipo de exposição acaba fechando as portas para possíveis ajudas públicas”. Ressaltou Júnior.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS