Hospital Sírio Libanês aplica especialização em gestão de emergências no JPII

Hospital Sírio Libanês aplica especialização em gestão de emergências no JPII

Da Redação

08 de Agosto de 2013 às 16:52

Foto: Divulgação

A pedido do Ministério da Saúde, o Hospital Sírio Libanês de São Paulo desenvolve a especialização em gestão de emergência no Sistema Único de Saúde (SUS), para atender os hospitais envolvidos no Programa S.O.S Emergências, entre eles o Pronto Socorro João Paulo II. A especialização é Latu Sensu com carga horária de 360 horas e acontecem todas as quintas-feiras, através de vídeo conferência.
O principal objetivo é oferecer ferramentas para que as equipes do hospital sejam capazes de pensar, de acordo com a sua realidade, propor e executar soluções.
De acordo com enfermeira indicada pelo Hospital Sírio Libanês, a apoiadora local do João Paulo II, Flávia Vernaschi, a especialização está direcionada, principalmente, aos participantes do Núcleo de Acesso a Qualidade Hospitalar (NAQH) do Pronto Socorro. “Esta especialização promove a capacitação de nossos profissionais e contribui expressivamente para uma melhor qualidade da rede de Urgência e Emergência, visando a prestação de um atendimento de qualidade”, disse.
Acompanhamento
No dia 30 de julho desse ano, o Pronto Socorro João Paulo II recebeu a visita da Coordenadora do Programa S.O.S Emergências, do Departamento de Atenção Especializada (DAE/SAS) do Ministério da Saúde, Ana Augusta Pires Coutinho. A visita foi acompanhada pela apoiadora Matricial do S.O.S Emergências para o João Paulo II, a médica Carmem Lúcia Soares e a apoiadora local, a enfermeira Flávia Vernaschi Lima. 
A coordenadora participou da reunião do Núcleo de Acesso a Qualidade Hospitalar (NAQH) que acontece todas as quartas-feiras no auditório da unidade. Ela destacou o esforço de trabalho das equipes do Pronto Socorro e a evolução dos processos de trabalho e da situação da unidade, desde a implantação do Programa.
Equipe de Referência Ortopédica
Foi criada no João Paulo II, a primeira equipe de referência de ortopedia, que visa transformar os processos de trabalho, que antes era desarticulado e distanciado dos diferentes profissionais, em um processo articulado, integralizado e humanizado.
Essa equipe inicialmente reúne um ortopedista, um fisioterapeuta e uma enfermeira que irá realizar as discussões do projeto terapêutico singular dos pacientes prioritários. Um dos objetivos é diminuir o tempo de permanência e melhorar a atenção à saúde desses pacientes.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS