BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DPE dá parecer favorável para interdição de presídio de Machadinho

DPE dá parecer favorável para interdição de presídio de Machadinho

Da Redação

09 de Fevereiro de 2012 às 16:40

Foto: Divulgação

O presídio de Machadinho do Oeste foi interditado nesta quarta-feira (08) por determinação do juiz Alex Balmant, com parecer favorável do Ministério Público e da Defensoria Pública do Estado (DPE)- esta instituição foi reconhecida pelo magistrado como órgão de execução penal. O número do processo que originou a interdição é 0000156-25.2012.8.22.0019.
O coordenador do núcleo da DPE de Machadinho do Oeste, defensor público André Vilas Boas, afirmou que os presos são mantidos em celas superlotadas, sem condições de higiene, salubridade, ventilação e segurança. A unidade prisional conta com 98 presos, sendo 49 condenados em definitivo e 39 provisórios. São 89 apenados do sexo masculino e 09 do sexo feminino.
Para ilustrar o quadro, o defensor citou que na cela 01, por exemplo, são 12 camas para atender 21 apenados em um espaço de apenas 16,32 m2. O defensor explicou que pela Lei de Execução Penal, os presos deveriam contar com de 126 m2. "O número de agentes penitenciários também é insuficiente, colocando em risco a vida dos mesmos", observou.
Desolador
Para o juiz, o panorama da unidade prisional chega a ser desolador e degradante até mesmo para quem milita há anos na execução penal. O levantamento realizado pela comissão, formada pelo Judiciário, DPE e Ministério Público, mostra ainda que as fossas estão saturadas, sem condições de funcionamento; faltam medicamentos e as paredes e pisos estão deteriorados, facilitando, assim, a fuga dos presos.
O laudo do Corpo de Bombeiros atesta que a casa de detenção se encontra em absoluto estado de precariedade, sobretudo as instalações elétricas, hidráulicas e sanitárias.
Ação Civil Pública
Em sua decisão, o juiz diz reconhecer o empenho do Governo em tentar minimizar os problemas do sistema penitenciário em Rondônia, fazendo o possível para a criação de novas vagas. Ele ressalta, porém, que esse empenho não vem surtindo efeito na cadeia pública de Machadinho do Oeste.
Isto porque, segundo o magistrado, em 11 de outubro de 2011 completou sete anos em que foi ajuizada Ação Civil Pública em que determinava ao Governo o cumprimento de diversas obrigações de fazer, inclusive com o sequestro de R$ 7 milhões 923 mil, sem que nenhuma medida concreta para a construção do presídio fosse implementada por parte do Estado até a presente data.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS