Nativida inaugura laboratório de tipagem para transplante de medula óssea e rins

Nativida inaugura laboratório de tipagem para transplante de medula óssea e rins

Da Redação

09 de Agosto de 2011 às 09:52

Atualizada em : de de às

Foto: Divulgação

O Centro de Referência chega a RO com a meta de aumentar a participação da Região Norte junto ao Redome, que hoje conta com 5%, de doadores cadastrados.
 
O Nativida inaugurou na segunda-feira (08), o primeiro laboratório de histocompatibilidade (teste de laboratório para identificar características genéticas) deRondônia, habilitado pelo Ministério da Saúde. O Nativida/HLA passa a funcionar ao lado do Nativida Triagem Neonatal, localizado na avenida Governador Jorge Teixeira, 2800, bairro Embratel. A solenidade contou com a presença do secretário estadual de Saúde, Orlando Ramires, representantes da Fhemeron, principal parceiro na atuação do laboratório, autoridades ligadas à saúde e convidados.
 
O Nativida/HLA tem capacidade para realizar cerca de três mil exames por mês. A partir desta segunda-feira todas as amostras coletas pela Fhemeron passarão a ser analisadas pelo laboratório. O atendimento é voltado para os pacientes que necessitam de transplante de medula óssea, bem como interessados em tornar-se doador voluntário de medula. Também são contemplados os pacientes que precisam de transplante de órgãos sólidos. O exame de histocompatibilidade é fundamental para identificar se doador e receptor são compatíveis para a realização do transplante.
 
Durante a abertura oficial o diretor geral do Nativida, José Carlos Morão, ressaltou que o laboratório chega a Rondônia para atender uma necessidade do Estado, abrindo as portas para que Rondônia de fato possa integrar o rol de estados transplantadores. “A atuação do Centro de Referência possibilita a seleção e registro de doadores voluntários, aumentando o número de cadastros junto ao Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea) e Rereme (Cadastro de Receptores de Medula Óssea)”. Morão destacou ainda que a maior beneficiada será a população, já que todos os exames serão gratuitos, contemplados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
 
A diretora técnica do laboratório, Dra. Georgia Marcusso, acrescentou que os pacientes que residem em Rondônia não precisarão mais se deslocar para São Paulo para fazer este tipo de diagnóstico. “Com o serviço oferecido não haverá mais necessidade de deslocamento dos pacientes residentes em Rondônia para outras regiões, gerando comodidade a quem precisa do exame e economia para os gastos da saúde pública, que arca com as despesas de deslocamento”, frisou Marcusso. Com a atuação do Nativida cerca de 130 de pacientes não precisarão mais sair de Rondônia a cada três meses para ter acesso a este serviço.
 
O secretário estadual de Saúde, Orlando Ramires, assegurou o apoio do Estado à iniciativa pioneira do Nativida. “O Nativida apresenta um trabalho de grande relevância para a população rondoniense, que necessita deste serviço e terá um atendimento especializado de qualidade, com profissionais altamente qualificados”.
 
O atendimento do Nativida/HLA será executado em parceria com os Hemocentros de todo o estado que ficarão responsáveis por fazer a coleta, cadastro dos pacientes e encaminhar material coletado ao laboratório para realização dos exames de histocompatibilidade.
 
Banco de dados regional amplia chances de salvar vidas
 
O Redome conta com mais de dois milhões de doadores voluntários cadastrados. Segundo dados do INCA a região Norte apresenta hoje a menor taxa de voluntários cadastrados no Sistema Nacional de Doadores, com apenas 5%. A região Nordeste representa 18% e o Sul e Sudeste juntos representam 77%. O baixo número de cadastros reduz drasticamente as chances de pacientes originários da região Norte a encontrar um doador compatível, no caso específico do transplante de medula óssea, pois o perfil dos doadores voluntários é tipicamente de indivíduos das regiões que realizam o serviço.
 
SOBRE DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA
 
A doação de medula óssea é um procedimento seguro que não causa qualquer problema a saúde do doador. Pessoas entre 18 e 55 anos, que tenham boa saúde, independente do tipo sanguíneo podem ser doadores e o doador não pode ter nenhuma doença infecciosa transmissível pelo sangue.
 

Os interessados devem procurar o Hemocentro mais perto de sua localidade onde será colhido 5 ml de sangue e informar dados pessoais para preenchimento de um formulário.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS