BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Agricultores familiares de RO conhecem a Cooperativa Pindorama, em AL

Agricultores familiares de RO conhecem a Cooperativa Pindorama, em AL

Da Redação

01 de Dezembro de 2010 às 17:58

Foto: Divulgação

Produtores de agricultura familiar de União Bandeirantes, Abunã e Jaci-Paraná (Joana Darc),distritos de Porto Velho, conheceram recentemente a estrutura e o funcionamento da Cooperativa de Colonização Agropecuária e Industrial Pindorama, em Cururipe (AL). Eles foram levados e missão técnica do Projeto Tempo de Empreender, que se desenvolve com transferência de tecnologia e capacitação para produção agroecológica sustentável.
A missão, que contou com a participação de técnicos e consultores das entidades de capacitação, conheceu tanto as instalações da cooperativa como os setores produtivos, inclusive plantações, com o objetivo de empregar o mesmo sistema de produção em Rondônia.
Segundo o que ouviram os visitantes, a cooperativa, criada em 1956, com lotes divididos entre colonos e posseiros, começou a produzir maracujá, cultura que se mantém com força na área. A empresa emprega 566 pessoas e, durante as colheitas, chega a 1.400 empregos diretos – cerca de 30 mil pessoas vivem na colônia, que tem 32 mil hectares plantados com cana-de-açúcar (15 mil) e frutas (5 mil).
Descontando última década de dificuldades financeiras e de gestão, atualmente a Pindorama tem uma receita bruta anual de R$ 150 milhões, contra R$ 16 milhões, sem contrair empréstimos bancários. Os hoje 11 mil cooperados aumentaram os pontos de negócio para 420 e inauguraram, em 2003, a fábrica de açúcar, investindo R$ 13 milhões.
Para Geraldo Crispim Siqueira, presidente da Cooperativa Frutícola e Agropecuária de Rondônia, com sede em Jaci-Paraná, “vimos como é possível, com o apoio e a tecnologia necessária, produzir alimentos em escala e sem agrotóxico. Além disso, a reverter o fluxo populacional do setor, trazendo de volta os jovens que recorrem os centros urbanos da cidade em busca de alternativa econômica”.
Siqueira representa famílias que, nas parcelas na região denominada Joana D’arc, produzem açaí nativo e também cultivo BRS, banana e abacaxi, assim como os colegas de Pindorama. E a intenção é fazer aqui também derivados como doces, farinhas, xaropes etc., tornando o desempenho da cooperativa autosustentável.
O produtor acredita que isso será possível graças ao Projeto Tempo de Empreender, executado pelo Instituto Camargo Corrêa, Sebrae e Construtora Camargo Corrêa.
São parceiros no projeto prefeitura de Porto Velho, Laboratório de Fisiologia do Desenvolvimento e Genética Vegetal, Organização e Planejamento em Biodiversidade da Universidade Federal de Santa Catarina. Emater, Sescoop, Embrapa, Federação do Comércio, Federação da Agricultura, FCDL, Federação das Indústrias, Facer, Secretaria de Finanças, Sedam, Incra, Ibama, Banco do Brasil, Banco da Amazônia, Caixa Econômica Federal, Sedes e Semagric.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS