BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

URGENTE BRASILIA - Crime contra a história em andamento patrocinado pelo Governo Federal em Rondônia - fotos

Segundo relatos de moradores das imediações, parte da estrutura do galpão de ferro, também importado, já teria sido removida por um homem que comercializa ferro-velho. O projeto é bancado pelo Governo Federal, através do Ministério dos Transportes, com co

Da Redação

26 de Novembro de 2009 às 11:44

Foto: Divulgação

A lendária Estrada de Ferro Madeira Mamoré que desde sua desativação vem sofrendo constantes desmanches na sua história está sofrendo neste momento, mais um ataque patrocinado com recursos do Governo Federal. A antiga “serraria da 11” como era conhecida a oficina que serrou todos os dormentes da EFMM foi demolida para dar lugar ao novo terminal hidroviário de Porto Velho. Resta em pé, uma antiga caldeira datada do inicio do século passado. A peça teria sido construída na Alemanha e transportada de barco até Porto Velho. De acordo com o responsável pela obra, uma máquina de grande porte (fotos) irá remover a peça histórica na tarde desta quinta-feira (26), levando-a para destino não divulgado.

Segundo relatos de moradores das imediações, parte da estrutura do galpão de ferro, também importado, já teria sido removida por um homem que comercializa ferro-velho. O projeto é bancado pelo Governo Federal, através do Ministério dos Transportes, com contrato nº 14.0674/2008 no valor de R$13.214.743,77. A prefeitura de Porto Velho é parceira na construção.

Vale ressaltar que em 2004  o “IPHAN, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V do art. 21 do Decreto n° 5.040, de 07 de Abril de 2004, e considerando: Que o Conjunto Histórico, Arquitetônico e Paisagístico da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM), formado pelo Pátio Ferroviário, os Oito Quilômetros de estrada de ferro que vai da Estação Central até a Estação de Santo Antônio, as Três Caixas D’água e o Cemitério da Candelária, na Cidade de Porto Velho-RO, em razão de possuírem um excepcional valor cultural, são monumentos integrantes do Patrimônio Cultural Brasileiro, na forma e para os fins do Decreto-Lei 25/37”. Fique claro que a “Serraria das 11” fazia parte do complexo de oficinas que construíram a EFMM, além do valor arquitetônico do inicio do século 20, sem contar no valor cultural.

O Ministério Público Federal deve vir a público explicar se concorda com a derrubada do prédio, assim como, informar a população sobre o andamento das investigações do suposto furto de peças do Museu da EFMM, denunciado recentemente por este Jornal Eletrônico.
 
Pede-se a mesma agilidade na defesa do patrimônio histórico que o MPF mostrou quando proibiu que animais que participariam da cavalgada da Expovel 2009 fossem descarregados no pátio da EFMM, com o argumento que os animais e seus cavaleiros poderiam causar danos irreparavéis  e descaracterizar o ambiente histórico. Nota da Redação: O Rondoniaovivo não é contra o progresso, muito menos contra a construção do terminal hidroviario, porém acreditamos que as peças históricas podem ser agregadas a arquitetura do local, aliando história e progresso consciente.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS