CARNAVALIZA: ONG faz conscientização sobre a violência contra a mulher e as novas leis

Fique por dentro das programações e participe

ASSESSORIA

20 de Fevereiro de 2020 às 11:10

Foto: Divulgação

A Associação ‘Filhas do Boto Nunca Mais’ nasceu no mundo das ideias em 2011 quando a sua fundadora Anne Cleyanne assistiu uma palestra que constava que ainda existia meninas no leito da Amazônia que engravidava de seus pais e avôs e achavam que era do Boto.

 

Em 2016 quando foi divulgado que 1/3 dos Brasileiros acreditam que as vítimas são culpadas de serem estupradas. Reuniu-se um grupo de mulheres para tentar conscientizar que o problema é muito maior e ali nasceu o Coletivo Filhas do Boto Nunca Mais, com o objetivo de levar informação a população e ser também um ponto de acolhimento para mulheres que não sabiam onde procurar ajuda ou tivesse medo de contar e ser desacreditadas.

 

Ao longo desses 3 anos esse grupo fez atendimentos, participou de discussões de políticas públicas para mulheres, crianças e adolescentes, fez palestras, fóruns, oficinas, em parceria com o Ministério Público Estadual, defensoria e viatura Maria da Penha acolheu mulheres e encaminhou para ter acesso a seus direitos, no início de 2019 pela extensão do trabalho e procura começou a formar a Associação de mulheres com o mesmo nome.

 

E no dia 23 de fevereiro, inicia as programações do Movimento Carnavaliza com a palestra da ONG 'Filhas do Boto Nunca mais' - Conscientização com Joseane/Adriana/Paula (16h às 19h) e Detran/RO - Blitz Educativa (18h).

 

Obs: Coleta de alimentos para doação, no local.

 

Fique por dentro e acompanhe nas redes sociais!

 

Facebook @movimentocarnavaliza

Instagram @movimentocarnavaliza 

 

 

MOVIMENTO CARNAVALIZA

 

Do dia 22 a 29 de fevereiro acontece o Movimento Carnavaliza 2020 no Porto Velho Shopping, movimento que veio para contagiar a cidade com alegria e solidariedade. Promoverá ações digitais e presenciais no carnaval.

 

Trabalhando os quatro pilares da vida humana, que são: cidadania, empatia, desenvolvimento e alegria.

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS