Governo quer mais 5 mil médicos para combate ao novo coronavírus

Profissionais vão atuar nas capitais e municípios mais vulneráveis

Agência Brasil

10 de Março de 2020 às 14:18

Atualizada em : de de às

Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde vai lançar um edital de chamamento para cerca de 5 mil profissionais pelo programa Mais Médicos. De acordo com a pasta, o edital será publicado ainda nesta semana e a ideia é reforçar a capacidade de assistência em saúde durante a emergência do coronavírus.

 

Capitais e grandes centros urbanos voltam a participar do programa, que até então vinha priorizando somente municípios de maior vulnerabilidade. A medida é em razão de serem locais com maior concentração de pessoas, o que ajuda a ampliar a circulação do coronavírus.

 

As inscrições estão previstas para a próxima semana e a expectativa é que os profissionais comecem a atuar em cerca de três semanas. Com a medida, o governo espera fortalecer o atendimento nos postos de saúde e evitar buscas desnecessárias aos hospitais.

 

“Os profissionais que aderirem ao programa, pelo novo edital, farão atendimento geral à população junto às equipes de Saúde da Família, principal porta de entrada do SUS”, informou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, destacando que estão incluídos todos os atendimentos que fazem parte da Atenção Primária à Saúde, desde as consultas de rotina até os casos de pacientes com sintomas respiratórios.   

 

Médicos pelo Brasil

 

O novo edital não altera o cronograma estabelecido anteriormente para o programa Médicos pelo Brasil, sancionado em dezembro de 2019. Neste momento, o ministério utiliza a estrutura do programa Mais Médicos para ampliar o atendimento à população em uma situação emergencial pela circulação do coronavírus no país.

 

De acordo com o governo, o ministério trabalha na organização e estrutura necessárias para a criação da Agência para o Desenvolvimento da Atenção Primária à Saúde (Adaps), que será responsável pela seleção e contratação dos profissionais que atuarão no programa Médicos pelo Brasil.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS