BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

'Pantera Negra' passa 'Titanic' no pódio das bilheterias após 21 anos

'Titanic' ficou 21 anos entre os três filmes que mais arrecadaram nos EUA

FOLHAPRESS

09 de Abril de 2018 às 13:14

Foto: Divulgação

Em sua oitava semana em cartaz nos Estados Unidos, "Pantera Negra" continua entre as principais bilheterias para a alegria dos executivos da Marvel/Disney. Sua última façanha foi alcançada neste fim de semana, quando o herói dos quadrinhos desbancou "Titanic" do terceiro lugar entre as maiores bilheterias da história em solo americano.

 

Agora, "Pantera" soma US$ 665,3 milhões contra US$ 659,3 mi do filme de James Cameron  -à frente deles só "Avatar" (2009), do mesmo Cameron, com US$ 760,5 milhões, e o recordista e ainda inalcançável "Star Wars: O Despertar da Força", de J.J. Abrams, com US$ 936,6 milhões.

 

Desde 1997, quando estreou, "Titanic" ocupava o pódio das maiores bilheterias. Na época, poucos acreditavam que o filme conseguiria recuperar o investimento de US$ 200 milhões. Vencedor de 11 Oscars, o romance de Leonardo di Caprio e Kate Winslet à  bordo do transatlântico que afundou em 1912 reinava absoluto até ser desbancado em 2009 por outra produção megalomaníaca do próprio Cameron, "Avatar".

 

Em 2015, a volta da saga "Star Wars", com "O Despertar da Força", atropelou a todos. Assim, "Titanic" ficou 21 anos entre os três filmes que mais arrecadaram nos EUA, mas continua o filme mais antigo do top 10.Na bilheteria mundial as ordens se invertem, com "Avatar" e "Titanic" nas duas primeiras posições, seguidos por "O Despertar da Força". "Pantera Negra" está em décimo lugar.

 

Voltando ao último fim de semana, o filme da Marvel terminou em quarto lugar, atrás do surpreendente "Um Lugar Silencioso", com Emily Blunt, que faturou inesperados US$ 50 milhões (custou apenas US$ 17 mi). "Jogador Número 1", de Steven Spielberg, caiu para segundo com mais US$ 25 milhões. O terceiro colocado foi a comédia teen "Não Vai Dar", com US$ 21,4 milhões. "Pantera" arrecadou mais US$ 8,4 milhões.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS