BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PROJETO DE LEI: Bolsonaro diz que vai proibir ''ideologia de gênero'' nas escolas

Pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que determinou ao MEC um projeto de lei que proíba a chamada ''ideologia de gênero'' nas escolas do país

METRÓPOLES

03 de Setembro de 2019 às 14:57

Foto: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro que proibir a chamada "ideologia de gênero" nas escolas de ensino fundamental do país. Nesta terça-feira (3/9), pelo Twitter, afirmou que vai solicitar ao Ministério da Educação (MEC) um projeto de lei que tenha como resultado tal proibição.

 

 

 

Na mensagem, Bolsonaro se refere a uma manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo Advogado Geral da União, que se posicionou contrário a uma lei municipal de Londrina (PR), que proíbe o debate  das questões referentes a gênero nas escolas públicas do município. A lei foi questionada por entidades e deve ser analisada pela Suprema Corte.

 

O termo "ideologia de gênero" não é reconhecido por especialistas que estudam a questão de gênero. A expressão é utilizada por grupos, geralmente conservadores, justamente para criticar as teorias que propõem uma distinção entre os sexos não só pelo viés biológico.

 

"Do capeta"

 

O presidente já se manifestou em diversas ocasiões de forma crítica à "ideologia de gênero". No último dia 10, por exemplo, ao participar do evento evangélico Marcha para Jesus — pela família e para o Brasil, em Brasília, Bolsonaro relacionou a expressão a algo demoníaco. Durante o discurso, que durou 14 minutos, Bolsonaro criticou a esquerda e a imprensa, e ainda declarou que a ideologia de gênero é do “capeta”. Ele relembrou do apoio dos evangélicos durante a campanha eleitoral.

 

"Além do milagre da minha vida, o milagre da nossa eleição. Tive apoio de grande parte dos evangélico no período inicial das eleições. Isso foi decisivo. O que eu falava durante a campanha eu já falava anos antes. Desde 2010, quando apareceu nos governo que nos antecedeu as questões de multifamílias", disse na ocasião. "Se querem que eu acolha isso, apresente uma Emenda Constitucional e modifique o artigo nº 226, que diz que família é homem e mulher. E mesmo mudando isso, como não dá para emendar a bíblia, eu vou continuar acreditando na família tradicional", acrescentou, aplaudido. 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

NOVA DATA: Após adiamento, confira como fica o cronograma do Enem

NOVA DATA: Após adiamento, confira como fica o cronograma do Enem

Ministro da Educação anuncia, por meio de rede social, adiamento do prazo para se habilitar à prova. Pagamentos podem ser feitos até um dia depois da data final para garantir a participação. Até o meio-dia de ontem, mais de 5 milhões de pessoas tinham feito o cadastro

23 de Maio de 2020 às 10:36