BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

MISTÉRIO: Avião russo com 14 militares a bordo desaparece no Mediterrâneo

Perda de contato com a aeronave aconteceu por volta das 23h (hora local) de segunda-feira, quando estava a 35 quilômetros da costa síria

AgÊncia efe

18 de Setembro de 2018 às 08:52

Foto: Divulgação

 

Um avião russo Il-20, com 14 militares a bordo, desapareceu no Mediterrâneo (na costa síria), durante um ataque aéreo de Israel contra a Síria, coincidindo com o lançamento de mísseis da fragata francesa "Auvergne". A informação é do Ministério de Defesa da Rússia.

 

A perda de contato com a aeronave ocorreu por volta das 23h (hora local) de ontem (17), quando estava a 35 quilômetros da costa síria, e o destino de seus ocupantes é desconhecido.

 

O Il-20 "desapareceu dos radares do comando da aviação durante um ataque de quatro aviões israelenses F-16 contra instalações sírias na província de Lataquia", disse o ministério.

 

Segundo os militares, ao mesmo tempo, meios russos de controle do espaço aéreo detectaram o lançamento de foguetes da fragata francesa "Auvergne", que se encontra nessa região" do Mediterrâneo.

 

O avião, um turbopropulsor de exploração, retornava para a Base Aérea de Khmeimim, na província de Lataquia, onde a Rússia tem um agrupamento aéreo.

 

Uma fonte anônima do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, citada pela agência "Interfax", sugeriu a possibilidade de a aeronave russa ter sido abatida equivocadamente pela defesa antiaérea síria.

 

O incidente ocorreu horas após os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e Turquia, Recep Tayyip Erdogan, chegarem a um acordo para suspender a ofensiva anunciada do Exército sírio contra a província de Idleb.

 

Os líderes anunciaram a criação de uma zona desmilitarizada, de cerca de 20 quilômetros, que dividirá as posições das tropas governamentais sírias e a oposição armada apoiada pela Turquia.

 

A província de Idlib, ma fronteira com Turquia, recebe cerca de 3 milhões de pessoas, incluindo grande número de opositores deslocados de antigos feudos insurgentes que já foram conquistados pelas forças do governo sírio.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS