BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Assaltante obrigou casal a fazer sexo durante roubo, diz polícia

Suspeito foi preso nesta semana em Campo Grande; uma das vítimas foi baleada e ficou gravemente ferida

Da Redação

13 de Agosto de 2016 às 10:38

Foto: Divulgação

Um homem preso na última segunda-feira (8) em Campo Grande, suspeito de roubo, obrigou as vítimas a fazerem sexo na sua frente. As informações são da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Roubos e Furtos (Derf). Armado, o assaltante ameaçou o casal e atirou contra o homem, enquanto a mulher conseguiu fugir.

"Ele [suspeito] queria que o casal fizesse sexo, mas o rapaz disse que não ia dar para fazer [sexo]. Então, ele ordenou que as vítimas fizessem atos libidinosos. Então, o rapaz ficou deitado de barriga para cima e a jovem ficou sobre ele de barriga para baixo", disse o delegado Carlos Delano.

Os investigadores apuram se o suspeito, de 36 anos, filmou a ação. "A jovem ficou de costas para o suspeito, com uma espécie de lanterna e não se sabe se ele [suspeito] estava filmando a cena ou se estava se masturbando", disse o delegado.

O homem foi detido horas depois do crime contra o casal, após furtar um notebook. "O crime [contra o casal] aconteceu à uma [hora] da madrugada. Quando foi duas da tarde, um suspeito com roupas parecidas foi preso no mesmo bairro por furtar um notebook. Aí nós resolvemos reconhecê-lo", explicou Delano.

VEJA TAMBÉM: 
Dupla invade residência, rouba e tenta estuprar vítima

Segundo o boletim de ocorrência, o casal estava dentro de um carro quando foi abordado pelo assaltante armados. Eles foram levados até um matagal e coagidos a tirar a roupa. A jovem conseguiu fugir do local, entrou no carro e dirigiu até um posto policial. Ela ouviu três tiros e, ao voltar ao local do crime com policiais, encontrou o namorado baleado só de cueca. Os disparos atingiram seu braço direito e o abdômen.

Segundo boletim médico emitido na última quinta (11), o estado de sáude do rapaz era grave. Ele está internado, em coma, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS