close

ESPAÇO ABERTO: Deputada de RO vota a favor dos interesses de envolvidos na Lava Jato

Confira a coluna

RONDONIAOVIVO - CÍCERO MOURA

24 de Maio de 2019 às 08:23

ESPAÇO ABERTO: Deputada de RO vota a favor dos interesses de envolvidos na Lava Jato

FOTO: (Rondoniaovivo)

O INCÔMODO NOSSO DE TODOS OS DIAS

 

O brasileiro recebe 37,5 chamadas indesejadas, em média, por mês. É o que mostra estudo da empresa Truecaller, na América Latina. O Brasil é um dos países mais afetados por picaretagem via telemarketing.

 

 

CONDENADOS


A juíza Lívia Maria Mattos Melo Lima, da Comarca de Passo de Camaragibe (AL), condenou a ex-prefeita Márcia Coutinho Nogueira de Albuquerque (MDB) e o ex-secretário de finanças do município, Pedro Melo de Albuquerque Neto, por improbidade administrativa. A juíza determinou a inelegibilidade dos réus por dez anos, o bloqueio de seus bens e a devolução de R$ 374.382,51 aos cofres públicos, utilizadas para proveito próprio, segundo decisão proferida na terça-feira (21).


De acordo com o Ministério Público de Alagoas (MP/AL), o município adquiriu, em 2005 e 2006, quantidade excessiva de combustível por meio de procedimento licitatório fraudulento, beneficiando empresas da própria ex-prefeita e do marido. O MP sustentou que o combustível era adquirido por meio de notas de empenho não superiores a R$ 8 mil, como forma de burlar o procedimento legal.


O órgão ministerial apontou ainda que o combustível era transportado de maneira irregular dos postos de propriedade dos demandados, em Maceió, para Passo de Camaragibe, pondo em risco o meio ambiente e a população. A sobra do combustível, conforme apurou o MP/AL, era armazenada na casa do irmão da prefeita, o que denotaria o uso de verba pública para fins particulares.
A magistrada também determinou a perda do cargo e/ou da função pública que os réus estejam ocupando. O  casal deverá pagar multa e não poderá contratar com o poder público pelo prazo de cinco anos. 

 


QUASE O ESTADO INTEIRO


Os acidentes no trânsito deixaram mais de 1,6 milhão de brasileiros feridos nos últimos dez anos, e representaram um custo de cerca de R$ 2,9 bilhões para o Sistema Único de Saúde (SUS). As informações estão em levantamento divulgado nesta quinta-feira (23) pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) com base em dados do Ministério da Saúde. 


Os dados apurados revelam também que entre 2009 e 2018 houve um aumento de 33% na quantidade de internações por desastres nas ruas e estradas. 


Na avaliação do diretor da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) e membro da Câmara Técnica do CFM, Antônio Meira, esses acidentes já são considerados um dos principais problemas de saúde pública do país.


Além de provocar sobrecarga no serviço com aumento da ocupação dos leitos hospitalares, causa um prejuízo irreparável quando ocorre uma morte ou uma pessoa fica incapacitada para suas atividades habituais, como também traz prejuízo enorme para a saúde pública”, detalha o diretor.

 


INTERNAÇÕES


O levantamento assinala que o número de internações no SUS por desastres nas ruas e estradas do Tocantins saltaram de 60 em 2009 para 1.348 em 2018. Pernambuco também teve crescimento significativo passando de 845 para 6.969.


Em alguns estados houve queda no número de internações. O Maranhão reduziu em 40% as internações por acidentes de transporte nos últimos dez anos, seguido por Rio Grande do Sul (22%) e Paraíba (20%).


São Paulo e Minas Gerais lideram o ranking de gastos federais com atendimentos por desastres nas ruas e estradas. Em 2018, o gasto de São Paulo foi de R$ 57 milhões e de Minas Gerais, de R$ 29 milhões.

 


PRINCIPAIS VÍTIMAS


Entre as vítimas graves do tráfego no período de 2009 a 2018, os dados apontam que 60% dos casos são de pessoas entre 15 e 39 anos. Os maiores de 60 anos representam 8,4% do total e a faixa etária até os 14 anos representa 8,2%. Os principais acidentados são os homens (80%).

 


MAIO AMARELO


Neste mês de maio ocorre a sexta edição da Campanha Maio Amarelo, que tem como tema “No trânsito, o sentido é a vida”.
O movimento é internacional e chama a atenção para o alto índice de mortes e feridos no trânsito com o intuito de estimular os condutores, pedestres e passageiros optarem por um trânsito mais seguro. O laço amarelo é o símbolo do movimento. Os dados da campanha foram divulgados pela Agência Brasil.

 


VOTOU CONTRA


A deputada federal Sílvia Cristina (PDT-Rondônia) enfureceu internautas nas redes sociais na noite desta quarta-feira ao votar a favor de retirar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) das mãos do ministro da Justiça, Sérgio Moro.


O voto da deputada  rondoniense vem ao encontro do desejo de parlamentares flagrados pela Lava Jato que queriam se vingar do ex-juiz federal e atual ministro da Justiça.


Além da deputada Sílvia Cristina, outros 227 parlamentares decidiram que o Coaf deve sair do controle de Sérgio Moro. 210  votaram por manter o órgão sob o comando do ex-juiz federal, que se notabilizou por mandar para a cadeia vários corruptos envolvidos na Operação Lava Jato.

 

 

 

 


PAPEL DO COAF


O Coaf é essencial para o rastreamento de  dinheiro ilegal. Com o avanço da tecnologia digital e a elevada informatização do sistema bancário do país, o conselho, criado em 1998, se converteu em ferramenta básica na segurança pública.

 

 

LAMENTO 

 

Sergio Moro lamentou a decisão do plenário da Câmara que transferiu o Coaf para o Ministério da Economia.


Sobre a decisão da maioria da Câmara de retirar o Coaf do Ministério da Justiça, lamento o ocorrido. Faz parte do debate democrático. Agradeço aos 210 deputados que apoiaram o MJSP e o plano de fortalecimento do Coaf”, disse durante entrevista.


Moro falou ainda:  “em matéria de segurança pública e enfrentamento ao crime organizado, a integração é tudo. Nós, então, entendemos que o Coaf é um órgão extremamente importante para a prevenção da lavagem de dinheiro. Isso facilitaria a integração principalmente com os órgãos policiais e do Ministério Público”.

 

 

 


CONFIRMADA INAUGURAÇÃO DA PONTE


O governador do Acre, Gladson Camelli, afirmou em Ji-Paraná, ao participar da abertura da 8ª Rondônia Rural Show, que dentro do prazo estabelecido a ponte sobre o Rio Madeira, no distrito de Abunã, será concluída estabelecendo a ligação pela BR-364 dos dois estados com o Pacífico, uma vez que já existem recursos disponibilizados para a conclusão da obra. Lembrou que trechos da BR-364 devem ser duplicados ampliando os negócios e o desenvolvimento na região.

 

 

 

 

Mande suas sugestões de pauta, fotos, denúncias ou reclamações para espacoaberto@rondoniaovivo.com.

 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS