close

SEGURANÇA: No novo governo, autonomia financeira e investimento em tecnologia são prioridades

Com um mês à frente da pasta, o secretário diz que está conhecendo a estrutura da Sesdec, analisando todos os processos pendentes, aquisições e patrimônio

SECOM

1 de Fevereiro de 2019 às 11:07

SEGURANÇA: No novo governo, autonomia financeira e investimento em tecnologia são prioridades

FOTO: (Secom)

Na Polícia Militar do Estado de Rondônia há 29 anos, o coronel e novo secretário de Segurança Pública (Sesdec), José Hélio Cysneiros Pachá, é graduado em Letras, já participou de duas missões de paz, trabalhou na Companhia de Operações Especiais, comandou o 6° Batalhão da PM em Guajará Mirim, comandou o 1° e o 5° BPM em Porto Velho, e criou a Força Tática da PM baseando-se no exemplo do estado de São Paulo, no começo dos anos 2.000.

 

Com um mês à frente da pasta, o secretário diz que está conhecendo a estrutura da Sesdec, analisando todos os processos pendentes, aquisições e patrimônio. “Como eu não recebi nenhuma dessas informações formalmente, estamos analisando orçamento e a forma como estamos recebendo a Sesdec. Já tenho a orientação do governado coronel Marcos Rocha para enxugar o máximo possível a estrutura da secretaria”.

 

Segundo Pachá, o principal projeto para este ano é fazer a transição concedendo a autonomia orçamentária financeira às instituições ligadas à Sesdec. “Desta forma, conseguimos diminuir a estrutura, as instituições terão condições de gerir as próprias contas e contratos, e nós ficamos apenas com o Controle Interno e a parte estratégica e política da segurança pública. Este ano haverá a confecção do novo plano plurianual (PPA) para quatro anos, e já podemos fazer a previsão da fatia do bolo para cada instituição a partir do ano que vem”, explica.

 

O secretário conta que há uma herança de conflitos de interesses entre as Polícias Militar e Civil quanto aos softwares e integração de sistemas. “Por conta da receptividade que foi muito positiva por parte da Polícia Civil, já estamos conseguindo contornar tudo isso aos poucos, e fazendo as modificações, dando uma ‘cara’ nova conforme as oportunidades que vão surgindo. A ordem do governador também é que, por enquanto, não haja contratações.  Tem um concurso sendo realizado pela PM para os remanescentes do último concurso, conquistada por eles junto à Assembleia Legislativa, um compromisso dos deputados estaduais e que estamos herdando do governo passado, inclusive estamos aguardando o repasse da última parcela e esperamos que eles honrem, já o mandato deles também já está se encerrando”.

 

A gestão atual tem ainda como prioridade a construção do 5º BPM, que antes funcionava em um prédio à margem da BR-364, e agora está “distribuído” nas Unisps necessitando de uma quartel para abrigar os policiais do batalhão. O projeto já está pronto para isso e Pachá acredita que vai concretizar nesta gestão.

 

 

O coronel Pachá é militar há 29 anos e já trabalhou em vários batalhões da PM no estado

 

 

 

TECNOLOGIA

 

E em termos de investimento, o secretário considera importante a luta do Instituto de Identificação Criminal para a mudança das identidades digitalizadas, mais completas e mais seguras, e garante que algumas tratativas junto à Sepog já se iniciaram para estudo da possibilidade de viabilização.

 

O investimento é alto, mas é a tendência do país é que isso aconteça. A digitalização de tudo agiliza a identificação de autores de crimes e acelera o processo da própria confecção das identidades, o que hoje ainda aflige muito a nossa comunidade de uma forma geral”.

 

Outro projeto voltado para investimento em tecnologias para investigação está previsto para a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), possibilitando o trabalho de forma mais eficiente. “Isso tudo demanda recursos, que nós vamos tentar captar este ano para realizar os anseios das instituições, trazendo modernidade para o serviço de segurança refletindo diretamente na vida da população. Sem contar que o combate à corrupção é um dos eixos de trabalho do nosso governador, coronel Marcos Rocha”.

 

Quanto à expectativa que a população do estado pode ter em relação à segurança pública é integração. “Se integramos mais conseguimos juntos ser mais eficazes, principalmente Polícias Militar e Civil numa vertente, e Polícia Civil com a Politec em outra, porque as investigações, local de crime, identificação de indivíduos e tudo que diz respeito ao trabalho da PC depende disso. Assim conseguiremos resultados mais satisfatórios”.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS