close

Turismo de aventura: jornalistas vão enfrentar o caos da 319 – Sérgio Pires

Turismo de aventura: jornalistas vão enfrentar o caos da 319 – Sérgio Pires

DA REDAÇÃO

7 de Julho de 2017 às 08:02

Turismo de aventura: jornalistas vão enfrentar o caos da 319 – Sérgio Pires

FOTO: (Divulgação)

Mais uma vez, parte da imprensa vai deixar apenas de noticiar, para fazer parte da notícia. Nesse caso, por uma causa nobilíssima: o apoio total à volta das obras da BR-319, que liga Porto Vellho a Manaus e que é vital para toda a região norte. Será uma espécie de turismo de aventura. Na próxima terça, dia 11, sairá da Capital, em direção a Manaus, um ônibus repleto de jornalistas, para percorrer os 900 quilômetros da BR-319, aquele arremedo de rodovia que existe só pela metade e que nunca é concluída. Na sua parte central, a partir das primeiras localidades do Amazonas, começa um trecho de perto de 450 quilômetros que é uma espécie de Estrada para o Inferno. É nessa fase da viagem que começará o sofrimento maior dos jornalistas e convidados que se arriscarem na aventura. Eles  serão acompanhados por membros do Exército. A viagem começa às 16 horas, com saída do centro de Porto Velho, segue para Humaitá, onde haverá pernoite e dali em diante, seja o que Deus quiser, porque começa a fase tenebrosa da viagem. Haverá várias paradas pelo caminho, certamente cooptando e registrando apoio das comunidades que não suportam mais viver no verdadeiro inferno do isolamento, imposto a elas por meia dúzia de poderosos e por organizações internacionais, para as quais o governo brasileiro e outros poderes vivem pedindo a benção! Em se tratando da Amazônia, quem conhece profundamente o assunto, sabe quem manda e quem obedece.

O grupo programa chegar à Manaus na manhã do dia 13, quarta-feira, depois de percorridos os quase mil quilômetros e, certamente, após terem sofrido todas as dificuldades naquele trecho da 319, que parece, em alguns pedaços, ter sofrido bombardeios intensos, como os americanos o faziam nas florestas do Vietnam, durante a sangrenta guerra que só terminou  nos anos 70.  Na Capital amazonense, os jornalistas e convidados da caravana serão recebidos na Fecomércio. A intenção é consolidar o apoio da imprensa para a batalha pela recuperação da BR 319. Isso já existe, no geral. O problema é trazer para o lado do bem, os interesses dos donos de balsas e embarcações, que não querem a estrada pronta de jeito nenhum e das ONGs que defendem os interesses internacionais na região. Mais que isso, é vital conseguir o apoio do Ministério Público Federal e do Judiciário, porque a cada seis meses, surge alguma nova decisão que impede o prosseguimento das obras. Não é tarefa fácil, mas os jornalistas que participarão do evento estão ajudando a fazer História, ao invés de apenas contá-la...


O FIM DA LAVA JATO?

Não foi surpresa para quem estava acompanhando o assunto de perto, há vários meses. Desde o ano passado, a operação Lava Jato começou a ser estrangulada pelo governo, pelo corte pesados de verbas da Polícia Federal. Não deu outra. Sem recursos, foi anunciado nessa quinta, ainda extraoficialmente, o desmonte da equipe que investigava a Lava Jato em Curitiba. Ela já vinha minguando. Começou com nove delegados e uma grande equipe. Os resultados obtidos pelas investigações, todos sabemos quais foram. Dezenas de corruptos e ladrões do dinheiro público denunciados e outros tantos presos. Como a Lava Jato começou a chegar cada vez mais perto de cada vez mais poderosos, gente que decide para onde vai o dinheiro; que instituições e entidades devem ser beneficiadas e quais não devem, pode estar aí a explicação porque houve um corte de 44 por cento nos recursos tanto da Polícia Federal quanto da Polícia Rodoviária Federal. A se confirmar tudo que foi anunciado, os quatro delegados que sobraram vão voltar a investigar casos normais e a Lava Jato, incluindo várias investigações de inúmeros crimes de Lula e Dilma Rousseff, por exemplo, podem ficar sem serem esclarecidos. Afora tantos outros, envolvendo tucanos, peemedebistas e petistas. Uma vergonha!


ACIR E SEUS PLANOS PARA 2018

O senador Acir Gurgacz é um empresário bem sucedido de Rondônia, filho de pioneiros e agora quer ser governador do Estado. Já concorreu uma vez, quando recém tinha ingressado na política e se elegeu prefeito de Ji-Paraná. Era cedo demais. Agora, está se preparando para mais uma disputa duríssima, em que vai enfrentar nomes de peso na política estadual, assim como, certamente, novatos que surgirão querendo a cadeira de Confúcio Moura, a partir de 2019. Gurgacz fala sobre seus planos, suas ações no Senado, sua luta pela restauração da BR 319 e a duplicação da BR 364 e diz que está preparado para governar seu Estado, entre vários outros temas, em entrevista exclusiva que concedeu a Sérgio Pires, no programa Direto ao Ponto. A atração vai ao ar neste sábado, a partir das 11h30, na SICTV/Record News Rondônia, Canal 31, na TV aberta. Simultaneamente, é transmitida pela SKY (Canal 358) e pela TV a Cabo (Canal 17). A partir de domingo, a conversa pode ser assistida no site Gente de Opinião e em vários outros sites do Estado.


A LOCOMOTIVA NO ESPAÇO

Até que enfim, um pouco de bom senso. O Instituto do Patrimônio Histórico de Porto Velho, o Iphan, estava renitente (para usar uma palavra soft) sobre a liberação de uma locomotiva da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, que o DER queria colocar no Espaço Alternativo. A peça histórica estava apodrecendo na Vila da Candelária e ali certamente ficaria atirada até desaparecer. Enfim, houve acordo e na madrugada de quarta-feira, por volta das cinco da manhã, um enorme caminhão transportou a máquina até o local onde ela ficará instalada. Será totalmente recuperada e certamente se tornará uma das principais atrações do local, visitado diariamente por centenas de pessoas e, nos finais de semanas, por milhares delas. Junto com uma réplica da entrada do Real Forte Príncipe da Beira e com uma gigantesca passarela metálica, iluminada com lâmpadas de LED, a locomotiva histórica vai dar um toque muito especial ao Espaço. A turma do Iphan, enfim, merece cumprimentos pela decisão, voltada principalmente para o senso comunitário.


INFLAÇÃO DE 36 MILHÕES POR CENTO

Quem era jovem ou adulto e viveu os anos 80, sabe do que se está falando. Atualmente, o país luta para manter uma inflação abaixo dos 6 por cento. Ela atualmente está menor ainda, porque há uma forte recessão econômica, unida à uma das mais intensas crises políticas e morais que o Brasil já viveu. Mas antes e durante o governo de José Sarney, que assumiu o poder quando o último militar (João Figueiredo) deixou a Presidência, a inflação acumulada chegou a nada menos do que 36 milhões por cento, entre os anos de 1981 e 1990. Num só ano, no último de Sarney, ela superou os 1.780 por cento. Em uma década, o Brasil teve seis moedas diferentes e 16 ministros da Fazenda. A escalada inflacionária só foi totalmente controlada durante o governo do então presidente Itamar Franco, quando Fernando Henrique Cardoso era o ministro da Fazenda. Foi o Plano Real, elaborado por FHC e sua equipe, que acabou com a maior inflação da nossa história. Daí para a frente, pioramos muito na política, mas melhoramos na economia.


TARIFA A 1 REAL

Entidades estudantis estão comemorando o novo preço da tarifa dos ônibus em Porto Velho, que, para eles, baixará de 1,50 para 1 real. Mais de 31 mil jovens e adultos (esses, os que participam do programa do EJA), terão acesso mais barato aos coletivos, depois do último acordo feito com a Prefeitura. A tarifa normal passou para 3,80 reais, mas o grupo estudantil foi bastante beneficiado com as inovações implantadas no sistema de pagamento de passagens do Consórcio SIM. Outra novidade será o aumento de coletivos com ar condicionado. Serão dez numa primeira etapa e pelo menos outros dez em 30 dias. O Consórcio SIM está trabalhando bastante, segundo sua direção, para melhorar toda a estrutura de transporte coletivo na Capital, mesmo com o pouco tempo em que assumiu a atividade. Melhorar as rotas, os horários e ampliar serviços é meta que a empresa pretende colocar em prática. Todos os usuários torcem para que os planos do SIM deem certo!


EM DEFESA DOS DEFICIENTES

Jailton Delogo é deficiente visual. Auditor de controle externo do Tribunal de Contas, ele sofre na pele todas as dificuldades, restrições e preconceitos, mesmo que seja diferenciado, porque conseguiu conquistas importantes na vida. Mas ele não esquece os outros deficientes. Não só visuais, mas todos os que são obrigados a enfrentar tantas barreiras, de todos os tipos, todos os dias. Agora, Jailton está realizando um trabalho voluntário junto à Prefeitura da Capital, em busca de melhorias para a vida tão complexa e difícil dos deficientes. O trabalho já iniciado e coordenado por Delogo pretende reunir informações junto a várias secretarias, que possam servir para um estudo final que indique melhoria na vida dos deficientes. Reuniões já foram feitas nas áreas de educação, saúde, obras e a Semtran. Nessa secretaria, certamente a intenção é planejar e executar um pacote de medidas que facilitem o deslocamento dos deficientes, que sofrem para se locomover pelas ruas (cheias de obstáculos) de Porto Velho.

 

PERGUNTINHA

Com tanta podridão correndo país afora, se você fosse escolher entre todos os denunciados, processados e até entre os presos, qual seria o seu corrupto preferido?

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS