close
logorovivo2

Teremos um 'cavalo paraguaio' no segundo turno das eleições em Porto Velho?

Teremos um 'cavalo paraguaio' no segundo turno das eleições em Porto Velho?

DA REDAÇÃO

7 de Outubro de 2016 às 09:38

Teremos um 'cavalo paraguaio' no segundo turno das eleições em Porto Velho?

FOTO: (Divulgação)

RETICÊNCIAS POLÍTICAS...  -  Por Itamar Ferreira  

"Cavalo paraguaio" na política é nome que se dá ao fenômeno de um candidato crescer muito rapidamente e cair vertiginosamente na reta final. Só para citar dois casos mais famosos, temos Celso Russomano, um verdadeiro campeão nesse quesito, nos anos de 2010, 2012 e 2016. Este ano ele chegou a liderar com 31% e terminou com 13%.

O outro caso emblemático foi o de Marina Silva que teve uma trajetória "espacial" nas pesquisas durante as eleições presidenciais de 2014, subiu como um foguete e desceu feito um meteorito. Marina chegou à liderar nas pesquisas com 34%, mas terminou o primeiro turno com apenas 21% em terceiro lugar.

Cientistas políticos apresentaram algumas conclusões sobre Marina: em primeiro lugar, os adversários conseguiram elaborar estratégias bem-sucedidas de ataque direto; ela não cresceu nas pesquisas por suas ideias e agenda propositiva, mas porque conseguiu se colocar como a candidata de negação da "velha política"; os adversários adotaram uma estratégia bem sucedida de desconstrução da imagem da candidata. Tudo isso lhes parece familiar neste momento?

A candidatura do Dr. Hildon apresenta algumas semelhanças com a de Celso Russomano e, principalmente, com a da Marina Silva, que é um crescimento acelerado sem uma base concreta, real e de certa forma até mesmo inexplicável.

Dr. Hildon navegou em águas mansas no primeiro turno, sem ataques diretos dos adversários e só recebeu uma atenção maior quando atacou; porque pelas pesquisas não teria chance de ir ao segundo turno. Quando chegou de forma surpreendente em primeiro lugar, foi declarada aberta a temporada de "caça ao candidato", ônus que tem todos os que chegam à liderança.

Em apenas quatro dias Dr. Hildon experimentou a vida dura de quem lidera: primeiro, foi destacado que ele possui cinco grandes faculdades, sendo três no Interior de Rondônia, uma em Mato Grosso e outra em Rio Branco, mas nenhuma em Porto Velho, onde tem apenas um pequeno escritório de representação de ensino à distância. Ou seja, ele teria confiado muito mais em outras cidades para investir o seu dinheiro. Confira vídeo do próprio Hildon falando do seu portentoso império empresarial no link: https://www.youtube.com/watch?v=IJahFVxST9o

Em seguida, veio a público uma prisão em flagrante numa blitz da Lei Seca, que por si só poderia não ter tanto impacto junto ao eleitorado; exceto pelo fato dele ter afirmado em alto e bom som, num debate ao vivo na TV, que "nunca tinha sido preso"; ou seja, o candidato teria faltado com a verdade.

Terceiro, veio à tona a estranhíssima criação de uma empresa em 2008, ao que se saiba constituída por cidadãos de Rondônia, no Rio de Janeiro; sendo que os sócios seriam, além do Dr. Hildon, a esposa do ex-senador Expedito Junior e donos de hospitais de Porto Velho.

Como inferno astral pouco é bobagem, o candidato havia dito que recusaria apoio de partidos e da velha política; entretanto, apareceu abraçado com Expedito Junior, com o vereador Edwilson Negreiros e outros representantes da "velha política", como o próprio vice Edgar do Boi, um milionário fazendeiro. Isso está mostrando um clara contradição que pode não ser muito bem digerida pelo eleitorado.

E a campanha do segundo turno sequer começou pra valer, a propaganda eleitoral de Rádio e TV ainda não foi ao ar e se terá duros debates pela frente. Dr. Hildon conseguirá manter e, mais que isso, ampliar os votos necessários para vencer ou será mais um "cavalo paraguaio" da política? Quanto a representar o "novo na política" fica muito difícil convencer o eleitor disso tendo o Expedito Junior ao lado; aqui nenhum juízo de valor sobre o ex-senador, a não ser quanto à sua "idade" política.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS