close
logorovivo2

A nau dos insensatos

POR VALDEMIR CALDAS

29 de Janeiro de 2019 às 13:59

 

Têm pessoas que, só porque o candidato de sua preferência foi abatido nas urnas, passam não somente a torcer pelo fracasso do vitorioso, como também a integrarem o time do “quanto pior melhor”. Agem, apenas, movidas por mesquinhos privilégios partidários ou de grupos, em detrimento dos legítimos interesses do país e da sua gente, especialmente dos segmentos mais sofridos da população. O pior é verificar pessoas com certo grau de conhecimento embarcando nessa nau dos insensatos.

 

Para essa gente, “como é possível falar de um Brasil melhor, se o país está cercado de problemas por todos os lados?”. E, na histeria de desesperança patológica, iniciam o desfiar de um rosário infindável de dificuldades e lamentações, quando não enveredam pelo caminho sinuoso de acusações inócuas, destituídas de conteúdo ético, pelo simples desejo de protestar, ou, o que é pior, de querer ver o circo pegar fogo para, assim, tentar colher as melhores castanhas no braseiro.

 

É claro que, para os pessimistas e fracassados, o melhor é que tudo fosse deixado como estava, com a corrupção correndo solta no pasto, engordando suas crias, com dinheiro roubado dos cofres públicos, extraído do contribuinte brasileiro, mediante a cobrança de um sem-número de impostos, taxas e contribuições, e não se buscar mecanismos que permitam o resgaste das condições de vida do povo e a restauração da dignidade do Brasil.

 

Quero deixar claro para essas aves de rapina agourentas que amo o Brasil e, de maneira especial, Porto Velho, apesar dos problemas impostos à população por administradores incompetentes, que teimam em confundir o patrimônio público com os quintais de suas casas. Por isso, não desisto nem do meu país, nem da cidade que me acolheu. Jamais serei contaminado pelo vírus do pessimismo, tampouco deixarei que o ódio seja o motor que me conduz, visível em algumas figuras, cujas inteligências não merecem maiores elogios.

 

Acho que o Brasil tem jeito, sim! E torço por isso, independente de coloração partidária, porque agir o contrário seria um procedimento burro, uma vez que os reflexos de uma eventual catástrofe atingiriam a todos.

 

 

 

 

 

  

 

MAIS COLUNAS

Valdemir Caldas

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS