close
logorovivo2

A seleção dos campos e das urnas

POR VALDEMIR CALDAS

11 de Junho de 2018 às 10:04

O Brasil se prepara para conquistar sua sexta Copa do Mundo. Se conseguir realizar o feito, tornar-se-á o senhor absoluto dos campos de futebol. A maioria dos brasileiros, porém, não parece muito confiante na sua seleção. Aquele vexame histórico de 2014, quando o Brasil perdeu de goleada para a Alemanha, ainda está na memória de muita gente. O Brasil estreia no próximo dia dezessete, contra a fraca Suíça. É esperar para ver se a seleção conseguiu superar suas deficiências e chegar ao objetivo.

 

Outra seleção, tão desacreditada quanto à primeira, com pouquíssimas exceções, também se prepara para entrar em campo – a dos políticos. Mais uma vez, o eleitor terá a oportunidade de mudar os rumos deste país, que de há muito vem claudicando num mar de problemas, para os quais não encontrou uma solução definitiva. Em outubro, teremos eleições para presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e estaduais.

 

O futuro do Brasil e, de modo especial, do Estado de Rondônia, dependerá da seleção que os eleitores fizerem. Poderá ser menos sofrível, talvez um pouco mais agradável. Até porque costumes antigos, arraigados há décadas, não se mudam da noite para o dia, como que num passe de mágica. A grande verdade é que vem sendo decepcionante e, por vezes, exasperador.

 

Assim como a equipe brasileira, se quisermos alcançar o melhor resultado, precisamos ter sensibilidade para reconhecer os talentos, apostar na dedicação e no bom caráter e descobrir dirigentes e representantes competentes, material cada vez mais raro no Brasil, mas que existe e, portanto, precisa ocupar o devido espaço no campo da política. O eleitor pode até não acreditar, mas há pessoas sérias e bem-intencionadas, dentro e fora da seara política, que ainda não foram contaminadas com o vírus da corrupção, da malandragem, do “é dando que se recebe”, do jeitinho e do “Mateus, primeiro os meus”. Pouquíssimas, mas há. Algumas delas estão pertinho da gente. É só uma questão de reparar para o lado.

 

Já passou da hora de pararmos de apostar nossos sonhos nos mistificadores, vendedores de ilusões, que continuam a ganhar eleições e a rechear suas polpudas contas bancárias com dinheiro de propina, indicando parasitas para sugarem os cofres públicos, sem nada produzirem em proveito da sociedade que lhes paga salários. São pessoas que, desde há muito, abandonaram a ética e jogaram a coerência e o compromisso com o povo, sobretudo os segmentos mais humildes, na pocilga.

 

À semelhança de milhares de brasileiros, não creio que a seleção logrará êxito nos campos da Rússia, por motivos óbvios, mas acredito que é possível o Brasil sair do fundo do poço e erguer a taça do desenvolvimento se escolhermos os craques certos.

 

MAIS COLUNAS

Valdemir Caldas

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS