close
logorovivo2

O direito de escolha é livre

POR VALDEMIR CALDAS

22 de Fevereiro de 2018 às 08:15

A partir de abril, quando o governador Confúcio Moura, por força de lei, deixar o governo de Rondônia para disputar uma das duas vagas para o Senado da República, seu vice, Daniel Pereira, assumirá as rédeas do Estado, podendo, então, exonerar e nomear secretários, criar e extinguir cargos na estrutura organizacional da máquina oficial, conceder reajuste salarial aos servidores, dentre outras atribuições inerentes ao cargo.

 

Paralelo a isso Daniel poderá também arregaçar as mangas e sair à caça de votos para os candidatos de sua preferência, não sendo segredo para ninguém que ele apoiará o senador Acir Gurgacz para o governo e, para o Senado, Confúcio Moura e Jesualdo Pires (prefeito de Ji-Paraná), do PSB, partido ao qual é filiado, o que me parece ser uma posição coerente, considerando a sintonia política que há entre o quarteto.

 

Bajuladores do senador Valdir Raupp, no entanto, não aprovam a ideia. Insistem para que Daniel troque de palanque. Há, inclusive, os que veem na iniciativa um odor de traição no ar. Os mais exaltados, contudo, chegam a falar até em conspiração, mas nada do que dizem parece incomodar Daniel, que de bobo não tem nada. Observadores políticos garantem que ele acertou na escolha. Agir diferente, no entanto, seria atirar no próprio pé.

 

Podem chamá-lo de traíra, conspirador, ingrato, ou qualquer coisa do gênero, que Daniel não vai mover um palito de fósforo queimado para ajudar na campanha de Raupp à reeleição. Se quiser permanecer por mais oito anos desfrutando das delícias de Brasília, o senador terá que se virar sozinho, porque, nessa canoa furada, Pereira já deixou claro que não vai entrar. O direito de escolha é livre e ele já fez sua opção.

MAIS COLUNAS

Valdemir Caldas

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS