close
logorovivo2

Expedito tem diferença de seis pontos a mais que a soma de Acir e Maurão. E nesta terça-feira tem debate

POR SÉRGIO PIRES

18 de Setembro de 2018 às 15:41

ão houve surpresa na segunda pesquisa do Ibope, sobre números da disputa ao Governo de Rondônia, anunciada ontem à noite pela TV Rondônia/Rede Globo. O tucano Expedito Júnior mantém uma boa dianteira, em relação aos seus dois principais concorrentes, Acir Gurgacz e Maurão de Carvalho. Na pesquisa induzida, ou seja, onde os nomes dos concorrentes são apresentados ao entrevistado, Expedito somou 32 pontos, contra 14 de Acir e 12 de Maurão. Ele tem ainda seis pontos percentuais a mais que a soma da dupla concorrente. Tanto Expedito quanto Acir e Maurão, na matemática, subiram dois pontos em relação à pesquisa anterior, mas esse aumento está dentro da margem de erro, portanto, não há certeza  que houve alguma mudança real. Registrada sob o número 00295/2018, no TRE rondoniense, a pesquisa também apontou que, num eventual segundo turno, Expedito venceria com 53 por cento dos votos, contra 21 do pedetista. Maurão também venceria Acir, segundo o Ibope, se o segundo turno fosse entre ambos. Maurão teria 36 por cento contra 30 de Acir. Não foi apresentada a possibilidade de um segundo turno entre Expedito e Maurão. A pesquisa apontou ainda que o quarto colocado na corrida pelo Palácio Rio Madeira/CPA continua sendo o coronel Marcos Rocha, do PSL, com 4 por cento. Atrás dele vem Pimenta de Rondônia, com 3; Coronel Charlon também com 3; Vinicius Miguel com 2 pontos; Pedro Nazareno, do PSTU, com 1 por cento e o Comendador Queiroz, que não pontuou. Os seis principais da pesquisa abrem, nesta terça, o período dos debates na TV. A partir das 22h15, na Alamanda/Band, Canal 13, Expedito, Acir, Maurão, Marcos Rocha, Pimenta de Rondônia e Vinicius Miguel se encontram no vídeo, para um debate que deve durar em torno de uma hora e meia. O mediador será o jornalista Daniel Adjuto, âncora do jornal do SBT de Brasília

 

Ainda em relação ao Ibope, a decepção da pesquisa foi que ela não apresentou números da corrida ao Senado, ao menos no que foi divulgada na noite desta segunda. Como é a corrida com pelo menos sete nomes viáveis para as duas vagas a que Rondônia tem direito, numa disputa extremamente acirrada, faltaram  os resultados que envolvem o Senado. Na primeira pesquisa do Ibope e na que a Big Data,, ligada à Record, fizeram em Rondônia, Confúcio Moura estava bem à frente, com Valdir Raupp e Fátima Cleide empatados em segundo. Mas Carlos Magno, Jesualdo Pires, Marcos Rogério e o Pastor Edésio ainda com chances reais, dado ao grande número de indecisos. A TV Rondônia não informou mais detalhes da pesquisa, mas pode divulgá-los ainda nesta terça. Também nada foi informado sobre pesquisa feita na disputa presidencial. Na reta final, tanto ao Governo quanto ao Senado, cada pesquisa dos grandes institutos são aguardadas com grande ansiedade. Não há data ainda confirmada para a próxima.

 

 

 

 

CAPIXABA, MELKI E PADRE TON FORA?

 

A coligação liderada pelo PDT, que tem como candidato ao Governo o senador Acir Gurgacz, sofreu séria defecção, com a decisão do TRE de impugnar pelo menos três dos principais nomes que o partido tinha, na corrida pelas oito cadeiras à Câmara Federal. As três perdas, poderiam somar, potencialmente, entre 120 mil e 130 mil votos e, com um pouco mais, eleger ao menos dois dos três pretendentes. Com a renúncia de Nilton Capixaba (PTB), que optou por retirar sua candidatura, antes do julgamento do TRE e com as impugnações do Padre Ton (PT)  e Melki Donadon, a coligação teve grande perda. Embora Ton e Melki ainda possam recorrer, só participariam do pleito sub judice, o que seria um grande risco para todo o grupo. Agora, dos nomes considerados com chances reais, restaram Mauro Nazif (PSB), Jaqueline Cassol (PP), Luiz Claudio da Agricultura (PR) e Silvia Cristina (PDT). Há algumas outras possibilidades, mas o quarteto é que parece, ao menos  para quem conhece a política regional, com chances concretas. A perda de três nomes com potencial enorme entre o eleitorado, pode ser um grave prejuízo para a coligação, que sonhava alto, com a conquista de até quatro cadeiras. Agora, as contas terão que ser refeitas.

 

 

 

SEIS CONCORREM, TRÊS RECORREM

 

Dos nove candidatos ao Governo, três foram impugnados. Estão fora da eleição, até decisão em contrário, o Comendador Valclei Queiroz, do PMB, o partido das mulheres, que já recorreu;  o coronel Charlon Rocha, do  PRTB e Pedro Nazareno, do PSTU, que também correm atrás para reverter a situação. Em todos os casos, a impugnação deve-se à documentação irregular ou não entregue dentro do prazo. Restaram seis na disputa: Expedito Júnior (PSDB); Acir Gurgacz (PDT, concorrendo sob liminar, ainda na dependência de uma decisão do TSE); Maurão de Carvalho (MDB); Pimenta de Rondônia, do PSOL, Coronel Marcos Rocha (PSL) e Vinicius Miguel (Rede). Os três impugnados são de pequenos partidos e teriam até a noite desta segunda, para que seus substitutos fossem escolhidos. De certo, portanto, estão até agora oficializados meia dúzia de nomes, aptos para concorrerem à sucessão de Daniel Pereira. Pelas pesquisas até agora divulgadas, as possibilidades mais prováveis é que a disputa final, no segundo turno, seja entre Expedito, Acir ou Maurão. Marcos Rocha, do PSL, que chegou aos 4 pontos  na pesquisa anterior do Ibope, ainda pode ser uma surpresa, embora poucos acreditem nela.

 

 

 

“E AGORA, QUEM PODERÁ NOS DEFENDER?”

 

Nem o Chapolin Colorado! Em nível nacional, pesquisa desta segunda já aponta para uma disputa acirrada entre Jair Bolsonaro, do PSL e Fernando Haddad, do PT, para o segundo turno. Ao menos por enquanto, a radicalização está tomando conta da campanha presidencial, com extrema direita e a extrema esquerda se colocando como as duas únicas opções viáveis para o país, o que não deixa de ser lamentável, além de muito perigoso também. A pesquisa da CNT/MDA, devidamente registrada no TSE, ouviu 2.002 pessoas em 137 municípios de 25 unidades da federação. Nela, Bolsonaro aparece bem à frente, com 28,2 pontos percentuais, quase 13 pontos à frente de Haddad, que tem 17,6. O terceiro colocando é Ciro  Gomes, que ficou com  10,8 pontos.  Geraldo Alkmin (6,1); Marina Silva (4,1) e João Amoedo, ( 2,8), aparecem a seguir. Os demais candidatos não chegam aos dois pontos percentuais e estão fora do páreo. A menos, e claro, para quem acredita que milagre e imagina que algum deles possa ocorrer nesta disputa à Presidência. O clone de Lula, conhecido como Fernando Haddad, está cooptando os votos do chefe. Bolsonaro continua hospitalizado, depois do atentando que sofreu. Ao que tudo indica, serão os dois que concorrerão na reta final. Oremos!

 

 

OITENTA QUILOS DE OURO NA BR 364

 

A história é real. Todos os personagens são reais e ainda podem estar por aqui. Aconteceu há pelo menos três anos. Dois veículos comuns andavam pela BR 364, em direção à Guajará Mirim. O destino final para a mercadoria que carregavam era a Bolívia, onde venderiam tudo a um preço superior ao que conseguiriam no mercado brasileiro. Num dos carros, que ia à frente, 40 quilos de ouro, tirados do rio Madeira, muito bem escondidos. No outro, que ia logo atrás, outros 40 quilos. Ou seja, numa só viagem, com apenas dois carros, estavam sendo transportados, aos valores de hoje (cotação de 161,32 reais o grama), nada menos do que 12 milhões e 960 mil reais em ouro puro, de alto quilate, um dos de maior qualidade do mundo, retirado do Madeira, onde é proibido garimpar. Um dos carros passou pela Polícia Rodoviária, normalmente. O segundo foi parado. Os policiais pediram a documentação do motorista, perguntaram onde ele iria (ele, obviamente, não disse que ia para Guajará ou para a Bolívia) e também foi liberado. Os dois veículos seguiram viagem, lépidos e faceiros, sem que ninguém mais os interrompessem...

 

 

MAS O OURO É NOSSO

 

O final da história, para os dois motoristas, foi extremamente feliz, embora infeliz para a grande maioria da população do nosso Estado. Horas depois, toda a dourada mercadoria (com o perdão do trocadilho), era entregue a receptadores bolivianos, que pagaram pelo menos 10 reais a mais pelo quilo do nosso ouro, que, naqueles tempos, claro, custava bem menos do que agora. O relato não tem um só fio de cabelo de invenção. Tudo o que está relatado é a pura verdade. Por que contar a história ocorrida há tanto tempo atrás? Explicação simples: é só para lembrar que Rondônia e os rondonienses perdem, todos os meses, milhões de reais em impostos, que poderiam ajudar a melhorar nossas vidas, caso o garimpo fosse controlado e liberado. Mas, ao invés disso, uma burrice tacanha, que só se explica por alianças inacreditáveis com ONGs que defendem os grandes interesses internacionais e de seus representantes no Brasil, nos impedem a que tenhamos direito de usufruir do que é nosso. Daí, os atravessadores levam tudo para o exterior, enquanto chupamos os dedos. Até quando essa absurda idiotice vai continuar?

 

 

PROMOTORES SERÃO INVESTIGADOS

 

O assunto vai ferver nos próximos dias. O corregedor geral do Ministério Público, Orlando Rochadel Moreira, determinou apuração sobre conduta de promotores que atuaram nos casos da prisão do ex governador do Paraná, Beto Richa e nas denúncias graves contra Geraldo Alkmin e Fernando Haddad, em pleno período eleitoral. Pouco antes de o corregedor nacional mandar abrir as apurações, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), avaliou que houve “notório abuso de poder” dos promotores, acrescentando que é preciso por "freios", porque ações como essas “interferem no processo eleitoral e não são boas para a democracia”. A Procuradoria Geral a República tem que atuar nisso e também o Conselho Nacional do Ministério Público”. E concluiu: “é preciso haver moderação. Do contrário, daqui a pouco, nós podemos inclusive tumultuar o pleito eleitoral. Sabemos lá que tipo de consórcio há entre um grupo de investigação e um dado candidato?", acrescentou o ministro, pondo sob dúvida a ação dos promotores. O caso é complexo e vai render muito bate boca, troca de farpas e processos, nas próximas semanas.

 

 

PERGUNTINHA

 

O que você acha pior para o Brasil: Jair Bolsonaro, com todo o discurso agressivo que ele tem feito ou acha que é melhor a volta do boneco de ventríloquo Fernando Lula Haddad, com toda a sua turma que tentou destruir nosso país?

 

 

 

MAIS COLUNAS

Sérgio Pires

Colaborador do Gentedeopinião: Sérgio Pires, experiente jornalista e que atua na SIC TV e diariamente apresenta o "PAPO DE REDAÇÃO" na rádio Parecis FM.

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS