close

MOBILIDADE URBANA: App que só contrata homem se esposa já estiver cadastrada faz sucesso em RO

Oferece serviço diferenciado e faz sucesso no Cone Sul apenas 2 dos 16 motoristas da plataforma são homens

FOLHA DO SUL ONLINE

5 de Março de 2020 às 09:46

MOBILIDADE URBANA: App que só contrata homem se esposa já estiver cadastrada faz sucesso em RO

FOTO: (Divulgação)

Um serviço diferenciado de mobilidade urbana, implantado há apenas dois meses em Vilhena, está fazendo sucesso entre alguns segmentos, caso de mulheres, pessoas que têm animais de estimação e LGBTs. O “Penélope” é uma plataforma desenvolvida no Rio de Janeiro, cujos direitos foram comprados pelo ex-supervisor de vendas Thiago de Mattos da Silva. Aos 32 anos, ele se juntou a uma sócia, a prima Érica de Oliveira, para entrar neste nicho de mercado.


 
Uma regra do Penélope chama a atenção: um homem só é cadastrado como motorista se sua mulher já tiver sido aceita pelo aplicativo na mesma função. Atualmente, são 16 motoristas femininas e apenas dois homens (incluindo o próprio Thiago), transportando passageiros na maior cidade do Cone Sul.
 


De volta a Vilhena após 16 anos morando em Cuiabá (MT) e Porto Alegre (RS), Mattos diz estar contente com o empreendimento. Ele conta que, pelo diferencial oferecido à clientela, o Penélope tem tido bons resultados.


 
O empreendedor explica que, ao chamar um dos carros de sua empresa, o usuário já tem opções, no celular, para avisar que está com um animalzinho de estimação ou faz parte do grupo LGBT. “Nossos motoristas são treinados para lidar com essas situações com paciência e mantendo o respeito”, garante Thiago.


 
Sobre o fato de mirar no público feminino, o empresário diz que as próprias mulheres se sentem mais seguras sendo transportadas por motoristas do mesmo gênero. E lembra casos recentes que ganharam destaque no Brasil: a adolescente de 17 anos assediada e o travesti espancado por motoristas de aplicativo.
 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS