close

O futuro das atividades no setor madeireiro segue indefinido em Espigão

Entidades do 3º setor se uniram a população e deram números para essa mobilização que foi orquestrada pelo Sindicato dos Madeireiros, com o apoio da classe política e a parceria da Associação Comercial e Industrial de Espigão do Oeste (Acieo)

ASSESSORIA

18 de Julho de 2019 às 16:24

O futuro das atividades no setor madeireiro segue indefinido em Espigão

FOTO: (Divulgação)

Nesta quinta-feira 17, a sociedade de Espigão do Oeste (RO) novamente deu mostra de quanto é solidaria quando o problema aflige o coletivo. Não só nas mobilizações sociais, a população atendeu ao chamado do setor e veio para a rua se posicionar.

 

Entidades do 3º setor se uniram a população e deram números para essa mobilização que foi orquestrada pelo Sindicato dos Madeireiros, com o apoio da classe política e a parceria da Associação Comercial e Industrial de Espigão do Oeste (Acieo).

 

Essa mobilização para manter o funcionamento de uma das principais molas propulsoras da economia de Espigão, teve do patrão ao mais simples empregado, todos imbuídos em um só objetivo que é buscar mecanismo que de alternativas para o setor não sucumbir.

 

“O jovem advogado Aécio de Castro com mais de uma década de atuação na área ambiental, foi mais um cidadão que foi para a rua defender o posicionamento da categoria”

 

 

Ao destacar a incerteza que paira sobre esse importante seguimento da economia do município, Castro apontou como primordial a importância da tranquilidade e o diálogo para se chegar a uma decisão que venha não penalizar os trabalhadores desse setor.

 

Segundo o advogado Aécio a vinda do ministro Ricardo Sales é vista como um bom sinal, uma vez que o ministro pode comprovar “in loco” a importância crucial para a economia do município manter o setor madeireiro em atividades.

“Vamos confiar que os políticos de nossa bancada federal consigam através de um conjunto de ações, sensibilizar nossas autoridades federais para a importância que é o retorno das atividades do setor madeireiro não só para Espigão, mas para os municípios próximos”.

 

Segundo Castro a maior empresa empregadora de Espigão, a Globo Aves já enfrenta dificuldades para manter o funcionamento da unidade fabril pela falta da madeira (Lenha). Situação também começa afetar o polo cerâmico no município de Pimenta Bueno.

 

“A nossa expectativa é que o impasse possa ser resolvido o mais breve possível e o setor volte as suas atividades e não tenha que recorrer as demissões em massa o que seria um terrível baque para a instável economia de Espigão”, finalizou Aécio de Castro.

 

Entrevista com o advogado Aécio de Castro

 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS