close

TRANSTORNADO: Radialista “invade” gabinete e profere ofensas ao prefeito

Julinho da Rádio interrompeu reunião do prefeito com secretários e passou a xingá-los

ASSESSORIA

7 de Dezembro de 2018 às 14:43

TRANSTORNADO: Radialista “invade” gabinete e profere ofensas ao prefeito

FOTO: (Divulgação)

O radialista Júlio Cesar da Silva, popular Julinho da Rádio, tentou invadir o gabinete do prefeito Eduardo Japonês na manhã desta sexta-feira, 07, em Vilhena. Em um episódio lamentável, Julinho dirigiu ofensas e distribuiu calúnias a vários dos participantes da reunião, após forçar a entrada no recinto. 


Impedido de entrar abruptamente no meio da reunião, Julinho, que tem um programa na rádio comunitária Positiva FM, insistiu em abrir a porta do gabinete do prefeito tão logo chegou, por volta das 11h20. O prefeito, vendo a insistência, interrompeu a reunião e permitiu a entrada do radialista, que já estava à porta, destemperado. 


Aproximando-se rapidamente do prefeito em tom ameaçador, Julinho passou a questionar Japonês repetidamente sobre diversos assuntos em tom alto de voz. Foi oferecida uma cadeira para o radialista sentar, mas este recusou e se aproximou mais ainda do prefeito, na mesa central da sala, elevando o tom, de dedo em riste.


Em seguida o professor e assessor executivo do gabinete Gilson Ferreira, se levantou e se colocou entre o radialista e o prefeito, que permaneceu sentado. As ofensas de Julinho passaram, então, a se dirigir ao professor, insinuando de forma acusatória que Gilson estivesse armado ou com intenção de atacá-lo. Protegendo o prefeito, Gilson, que não tem arma de fogo e nunca andou armado, se manteve entre os dois. 


A Polícia Militar (PM) foi acionada e Julinho saiu do gabinete. Minutos depois a PM chegou ao local e registrou os dados de todos os presentes, bem como testemunhas. Um boletim de ocorrência foi lavrado e a questão deve ser investigada pela Polícia Civil. 
 


HISTÓRICO


A situação constrangedora acontece um dia após Julinho caluniar Gilson em seu programa de rádio, afirmando ao vivo na programação que o professor teria agredido um jardineiro. O caso também gerou um Boletim de Ocorrência, registrado na Unisp por Gilson contra o radialista.



O QUE DIZ A LEI


Conforme diversos artigos do Código Penal (abaixo expostos), calúnia, difamação, injúria e ameaça são crimes tipificados que podem render detenção. 


Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa. § 1º - Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.
 
Art 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.
 
Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.
 
Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes é cometido:

I - contra o Presidente da República, ou contra chefe de governo estrangeiro;
II - contra funcionário público, em razão de suas funções;
III - na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação da calúnia, da difamação ou da injúria.
 
Art. 147 - Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS