close
logorovivo2

DISPUTA: Sem Lula, Marina e Bolsonaro lideram intenção de voto, diz CNI-Ibope

Bolsonaro e Marina aparecem empatados tecnicamente no cenário sem o ex-presidente

METROPOLES

28 de Junho de 2018 às 14:30

DISPUTA: Sem Lula, Marina e Bolsonaro lideram intenção de voto, diz CNI-Ibope

FOTO: (Divulgação)

Mesmo preso e sem saber se poderá disputar as eleições deste ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lidera a intenção de voto para presidente em todos os cenários nos quais aparece como candidato, na pesquisa da Confederação Nacional da Indústria, CNI-Ibope, divulgada na manhã desta quinta-feira (28/6).

 

Na pergunta estimulada, ou seja, quando o nome dos candidatos é apresentado ao entrevistado, o petista obteve 33% das intenções de voto no primeiro turno do pleito eleitoral. Já na pergunta de resposta espontânea, Lula também aparece em primeiro lugar, com 21% das intenções de voto. A pesquisa para o segundo turno, com com conjecturas de candidatos, será feita posteriormente pela Confederação.

 

Apesar de ser o primeiro na corrida eleitoral, ainda não se sabe se o petista poderá de fato ser candidato. Ele está preso desde abril em Curitiba. A Justiça ainda não julgou seu pedido de liberdade e também não decidiu se ele poderá se candidatar.

 

Diante da possibilidade de Lula ficar fora do páreo, a pesquisa mostrou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede) empatados tecnicamente no limite da margem de erro. O primeiro com 17% das intenções de voto e a segunda com 13%. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

 

“Trabalhamos com a margem de erro, mas eu diria tranquilamente que Bolsonaro está na frente de Marina”, explicou o gerente executivo de pesquisa e competitividade, Renato da Fonseca.

 

Para ele, o resultado da intenção de votos brancos ou nulos, de 33% nesta pesquisa, é “muito sério”. “Em 2014, a porcentagem era de 8% nas pesquisas estimuladas”, disse. Apesar de ser preocupante, Fonseca acredita no grande aumento do índice devido à indefinição do Partido dos Trabalhadores (PT) em relação a quem será seu candidato caso Lula não dispute as eleições. “Brancos e nulos devem migrar para candidatos no cenário sem Lula quando as campanhas começarem efetivamente. A região Nordeste, por exemplo, está órfã, conhece pouco o possível candidato Fernando Haddad, por exemplo”, disse.

 

Renato da Fonseca também ressaltou maior poder de partidos como PT, MDB e PSDB nas campanhas eleitorais. Para ele, Bolsonaro e Marina, por terem menos recursos, terão mais dificuldade de firmarem suas candidaturas em comparação aos partidos citados, que poderão trabalhar melhor seus candidatos com a população.

 

O gerente destacou também o fato da corrupção e das denúncias contra presidenciáveis deixarem o eleitor muito em dúvida. De acordo com ele, isso pode se refletir nas urnas com um maior percentual de votos brancos ou nulos. “Tudo sinaliza que esse percentual e a abstenção serão maiores do que em 2014”, disse.

 

A pesquisa encomendada pela CNI ouviu 2 mil pessoas em 128 municípios entre os dias 21 e 24 de junho. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

 

 

Lula na disputa

No cenário com Lula, a pergunta estimulada mostrou que Bolsonaro registra 15% das intenções de voto e Marina Silva tem uma redução, ficando com 7%. Ciro Gomes (PDT) aparece em quarto lugar com 4% dos votos. Veja o resultado total:

 

  • Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 33%
  • Jair Bolsonaro (PSL): 15%
  • Marina Silva (Rede): 7%
  • Ciro Gomes (PDT): 4%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 4%
  • Álvaro Dias (Podemos): 2%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 1%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 1%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • Levy Fidelix (PRTB): 1%
  • João Goulart Filho: 0
  • Outro com menos de 1%: 2%
  • Branco/nulo: 22%
  • Não sabe/não respondeu: 6%

 

Se o ex-presidente não entrar na disputa, o cenário (com a pergunta estimulada, ou seja, quando o nome dos candidatos é apresentado) há uma melhora para Marina Silva e Ciro Gomes mas ainda assim, não é suficiente para nenhum deles ultrapassar Bolsonaro. Neste cenário, a pesquisa incluiu o nome do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, como o candidato do PT. Entretanto, ele alcança apenas 2% dos votos. Veja:

 

  • Jair Bolsonaro (PSL): 17%
  • Marina Silva (Rede): 13%
  • Ciro Gomes (PDT): 8%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 6%
  • Álvaro Dias (Podemos): 3%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 2%
  • Fernando Haddad (PT): 2%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • Guilherme Boulos (PSOL): 1%
  • Henrique Meirelles (MDB): 1%
  • Levy Fidelix (PRTB): 1%
  • Manuela D’ Ávila (PC do B): 1%
  • Rodrigo Maia (DEM): 1%
  • João Goulart Filho: 1%
  • Outro com menos de 1%: 1%
  • Branco/nulo: 33%
  • Não sabe/não respondeu: 8%

 

 

De jeito nenhum


Apesar de ser o favorito para a disputa, Lula é, ao mesmo tempo, um dos que mais enfrenta rejeição dos eleitores. Pouco mais de 30% dos entrevistados disseram não votar no petista de jeito nenhum. Bolsonaro e Fernando Collor de Mello (PTC) também ficam com essa média de rejeição. O senador e ex-presidente Collor retirou o seu nome da disputa nesta semana.

 

Para Renato da Fonseca, os outros candidatos têm pouca rejeição nessa parte da pesquisa por não serem conhecidos. “Alguns candidatos são conhecidos apenas em seus estados, como Álvaro Dias, por exemplo, é mais conhecido no Sul do país. Temos vários candidatos cujas condutas não são conhecidas e portanto, não aparecem nas respostas dos entrevistados”.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS