close

Onde o telefone não para – e não é para desejar feliz ano novo

Por Lúcio Albuquerque

LÚCIO ALBUQUERQUE

2 de Janeiro de 2018 às 12:43

Onde o telefone não para – e não é para desejar feliz ano novo

FOTO: (Divulgação)

Minha intenção era neste primeiro dia do ano fazer uma mensagem desejando que, apesar dos desafios e da desconfiança, este ano de 2018 seja realmente um Feliz Ano Novo, do qual no dia 31 de dezembro próximo possamos, todos nós, dizer que tenha sido melhor do que 2017 – pior é difícil, mas, pelo visto há fortes sinais de que o “novo” pode superar o velho.

 

No entanto, alguns fatos que eu soube na noite do último dia do ano, de pessoas que considero muito bem informadas, fizeram com que eu transformasse a chamada “mensagem do Dia da Confraternização Universal” num apêndice deste comentário, e sinceramente o faço com tristeza.

 

E todos os casos envolvem a inação do poder público municipal, envolvendo dois setores vitais: saúde e geração de empregos, justamente batendo de frente com o compromisso do prefeito Hildon Chaves do qual ouvi várias vezes, duas delas provocado por perguntas que fiz, sobre seus projetos, e em ambas, como em todas manifestações sobre tais assuntos, repetiu ele que teriam prioridade. Pelo visto, não. Ou, então o discurso esteja distante da realidade.

 

De uma pessoa ligada à área de geração de empregos ouvi a queixa de que uma empresa de grande porte, capaz de gerar de saída quase 100 empregos diretos (o que pressupõe em torno de 200 indiretos), estaria encontrando dificuldades para se instalar em razão de entraves burocráticos, apesar de ser um investimento representativo para a economia, tanto pelas vagas de trabalho quanto pelos impostos que pode gerar.

 

O último entrave teria sido na exigência do órgão municipal do trânsito querendo uma relação detalhada de todo o investimento, os custos de cada um deles, isso depois da empresa ter  recebido a informação do órgão de que estava toda a documentação certa. Explico: quem me falou isso não é nem de longe parte da empresa interessada, mas que tomou conhecimento e ficou revoltado. Eu também!

 

Na área de saúde a questão é o Samu, onde o telefone não para de tocar, mas muitos pedidos não podem ser atendidos porque faltam viaturas. Neste final de ano havia apenas duas disponíveis, uma delas do grupo “básico”, o que pode ser traduzido como de recursos mínimos. Às pressas outra havia sido consertada para dar atenção ao evento da virada do ano.

 

Ainda na área de saúde o “Ana Adelaide”, sem qualquer dúvida a grande referência de atendimento na capital, virou o ano  com falta d’água.

 

De quebra, moradores de zonas periféricas de Porto Velho reclamaram, em várias paradas de ônibus da cidade, que os coletivos estavam trafegando com frota mínima – a justificativa de que se tratava de um domingo não se sustentaria haja vista tratar-se de um domingo especial por ser uma das maiores festas da humanidade, o que leva a aumento da  mobilidade de usuários.

 

Ouvi, há dois meses ou um pouco mais, de um assessor próximo ao prefeito de que estava sendo dado um “choque de gestão” para fazer a máquina pública funcionar como deve. Pelo visto, e com certeza deve haver vários outros segmentos aqui não nominados, os problemas não estão só nesses nominados agora, para os quais só veja uma ação real, a do prefeito entender que “não só de ao vive o homem”.

 

Bom, só – como disse Geraldo Vandré – para “não dizer que não falei de flores”, meu sincero desejo de que o ano novo não seja feliz apenas pelas mensagens e que, realmente, cada um de nós, e os administradores públicos em particular, pratiquemos a máxima de que “falar é fácil (no caso, prometer que vai fazer e ficar só nisso), poirque fazer é que são elas.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS