close
logorovivo2

Uma ponte chinesa e outra brasileira: A nossa vai custar cinco vezes mais – Por Sérgio Pires

Uma ponte chinesa e outra brasileira: A nossa vai custar cinco vezes mais – Por Sérgio Pires

DA REDAÇÃO

8 de Março de 2012 às 10:56

Uma ponte chinesa e outra brasileira: A nossa vai custar cinco vezes mais – Por Sérgio Pires

FOTO: (Divulgação)

É uma conta simples de matemática, mas que, muito mais que isso, explica muito sobre esse Brasil descontrolado. O cálculo é sobre o custo para construção de duas pontes, uma mega, na China, outra quase 15 vezes menor, em Porto Alegre. As diferenças são assustadoras, tanto no tempo da obra como no valor a ser gasto. A ponte da China é um primor da engenharia. Tem 42 quilômetros de extensão, sobre o mar, levou quatro anos para ser concluída e liga uma ilha ao continente. Pois essa maravilha custou um total de 3 bilhões e 900 milhões de reais, algo como 85 milhões e 400 mil reais por quilômetro. O tempo? Cada quilômetro da enorme ponte levou 53 dias para ficar pronto. Agora, vamos aos números no Brasil: nossa ponte será uma duplicação sobre o rio Guaíba. Uma obra nem sombra da complexidade da realizada pelos chineses. Levará os mesmos quatro anos para ser terminada: exatos 503 dias por quilômetro construído.  A diferença: a ponte brasileira terá menos de três quilômetros. A chinesa é 15 vezes maior. E a nossa não será sobre o mar, mas sobre um estuário.

Vamos aos preços. Na China, a megaponte ficou por 3 bilhões e 900 milhões  de reais, recordemos. E a brasileira? Ah, essa certamente terá adornos dourados, com detalhes em diamantes. Porque, se não tiver, há algo de muito errado no projeto já aprovado pelo Dnit. Custará, segundo dados publicados no site Ucho.info”, nada menos do que 1 bilhão e 600 milhões de reais. Cada quilômetro da ponte chinesa custou menos de 86 milhões de reais. Cada quilômetro da ponte brasileira, muito mais simples, segundo a fonte, vai tirar dos cofres públicos quase 400 milhões de reais, quase cinco vezes mais. Certamente surgirão explicações de todos os lados para esse absurdo, esse achaque vergonhoso aos nossos cofres públicos. Talvez porque aqui nada aconteça aos corruptos. Na China, eles vão para o paredão. Aqui, só enriquecem e fica por isso mesmo...

ADITIVOS

Além do preço absurdo, como explicar que uma obra leve quase dez vezes mais tempo para ser concluída, no Brasil, do que uma muito mais complexa e com dificuldades imensas para ser construída, como a da China? Será que, além da estrutura de corrupção de obras públicas, soma-se ainda os chamados aditivos, onde uma obra quanto mais demorar, mais dinheiro dá a quem a constrói?

DEBOCHE

Não dá para entender como uma rodovia federal, concluída há pouco tempo, já esteja se deteriorando e com crateras que obriguem o fechamento de uma das pistas. Lamentável, mas entende-se. É o desrespeito com a coletividade, é a falta de fiscalização, é o desleixo com que obras vitais, aqui e Brasil afora, são feitas. O pedaço da BR 364 que caiu, perto do Tênis Clube, na Capital, é um retrato da vergonhosa situação a que a população tem sido jogada, pela incompetência generalizada e o deboche com que o dinheiro público é

tratado neste país.

TUDO PRONTO

José Lebrão será o presidente e Edison Martins o relator. Lourival Amorim, Ribamar Araújo e Valdivino Tucura são os outros nomes da Comissão Processante da Assembleia, no caso da Operação Termópilas. O primeiro passo foi dado e as primeiras reuniões feitas. Agora, resta ao grupo trabalhar duro, cumprir os prazos legais e tomar as decisões que toda a sociedade espera. Toda a Rondônia estará de olho na Comissão, que vai decidir o que fazer com os deputados denunciados por falcatruas. E o quinteto sabe disso. Portanto,

mãos à obra...

MUITO CUIDADO!

Amanhã, serão abertas a s comportas da Usina de Samuel. As chuvas pesadíssimas obrigaram o consórcio Santo Antônio a tomar a decisão. Os ribeirinhos estão sendo alertados e retirados dos locais que podem ser alagadas. Todos os cuidados estão sendo respeitados, para que não haja problemas maiores. O rio Madeira pode subir até cinco metros além do normal. Todo a prevenção é necessária, nesse momento em que o inverno amazônico tem sido extremamente rigoroso.

INACREDITÁVEL!

O juiz Amilcar Bezerra Guimarães, que condenou um jornalista no Pará numa briga contra supostos grileiros, postou nas redes sociais comentários sobre o caso. Sua posição é incrível e inédita. Acusado pelo jornalista de estar a serviço dos invasores de terra, o magistrado protestou com veemência . E, ao invés de usar as vias jurídicas, partiu para o ataque em um longo texto.

NÃO CONFIA NA JUSTIÇA

Escreveu, no texto inusitado, o revoltado juiz, sobre as acusações do jornalista: “Pensei em dá-lhe uns sopapos, mas não sei brigar

fisicamente; pensei em processá-lo judicialmente, mas não confio na justiça (algo que tenho em comum com o pateta jornalista). Então resolvi usar essa tribuna para registrar o meu protesto”. Não é inacreditável?

ENGROSSOU

Pode engrossar a greve dos professores do Estado, com o aval da Justiça Federal. O caso está se complicando. O Sintero está usando a paralisação, como sempre o faz em ano eleitoral, para pressionar o governo. O Palácio Presidente Vargas reafirma que seu limite de aumento é 6,5%, muito distante do que exige a categoria A coisa pode ferver. Já em nível municipal, Prefeitura de Porto Velho e professores chegaram a um rápido acordo.

PERGUNTINHA

Até quando as autoridades aguentarão a pressão de ONGs e da Pastoral da Terra para soltar os líderes das invasões armadas em áreas do sul do Estado?

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS