close

Tipos de Culturas e Cidadãos Brasileiros - Por Professor Nazareno*

Tipos de Culturas e Cidadãos Brasileiros Professor Nazareno*

DA REDAÇÃO

19 de Junho de 2011 às 14:43

Tipos de Culturas e Cidadãos Brasileiros - Por Professor Nazareno*

FOTO: (Divulgação)

 

 
Dizem que o brasileiro é o tipo de gente mais difícil de ser reconhecido quando viaja a um determinado lugar. Isto porque somos uma festejada mistura de raças. Um indivíduo negro pode ser brasileiro de Salvador ou mesmo de qualquer outra cidade do país. Branco é o que não falta em nossa gente. Índios, nós temos aos montes principalmente nas cidades do Norte. Um curitibano típico ou um gaúcho, por exemplo, poderiam ser facilmente confundidos com um escandinavo. O bairro da Liberdade em São Paulo é um reduto de japoneses e de quase todo tipo de oriental. Além do mais, essas raças ou tipos de gente se misturaram a esmo e geraram muitas outras “etnias”.
            O Brasil é esta deliciosa mistura de povos, costumes, culturas, sotaques e principalmente comidas. O vatapá pode ser da Bahia, mas o país inteiro adora. O que dizer do churrasco gaúcho? Existe iguaria tão apreciada? A feijoada é toda nossa, o tambaqui assado, o tacacá, a maniçoba, a farinha, a rapadura. No entanto, alguns tipos são facilmente reconhecidos por quem tiver um olhar mais detalhista. Despercebidos à primeira vista por um antropólogo e deixadas as generalizações de lado, fica fácil reconhecer alguns tipos de brasileiros quando se fazem observações mais apuradas. A seguir algumas “pistas” para o leitor adivinhar de onde seriam estes personagens.
Cabeça bem chata chegou o "bichim", de terno de brim, de pé na "pragata" (chinelas de dedo, alpargatas), chapéu e gravata, bruaca de pano, andar de tucano, peixeira de lado. De onde será o cidadão que se chama "", "Biu", "Cisso" ou "Mané"? Sempre vota no Governo. Vive de "bolsa-miséria" e adora ser reconhecido como vítima da seca e flagelado. Não fosse Brasília para lhe mandar as esmolas oficiais, já teria sucumbido à fome e à miséria total embora tenha fama de trabalhador. As belas praias do lugar onde vive quase sempre servem de incentivo ao turismo sexual e à exploração do trabalho infantil. Embora tenha cidades grandes e ricas, reclama sem parar da vida.
            Nasceu na beira de um rio (é beiradeiro), veio ainda pequeno, de barco, para a cidade, mora numa estância ou numa invasão, só anda de mototáxi, adora comer peixe com farinha, gosta de presentear os outros com os melhores empregos, dança "boi", torce sentado na mesa de um bar, por times de futebol alheios ao lugar, constrói hidrelétricas para abastecer outros Estados com energia boa e barata sem se importar com o respeito ao seu meio ambiente e copia tudo o que deu errado nas outras cidades e Estados. Faz viadutos para passar ao lado deles e não por cima, pontes enormes que ligam o nada a coisa alguma e Shopping Center só para poder andar de escada rolante.
            O paulista, o gaúcho, o acreano, o baiano, o maranhense e tantos outros tipos de brasileiros são o que de mais rico temos em nossa exuberante amostra cultural e antropológica. Embora sempre achemos que brasileiro é o outro, há algo que nos une além do carnaval e do futebol. A sujeira das nossas ruas, dos nossos ambientes, a falta de compromisso com a hora marcada (brasileiro sempre chega atrasado aos encontros), a mania de falar mal dos políticos, a violência social, a impunidade, os mensaleiros, os sanguessugas, a corrupção, a monstruosa desigualdade social, o “jeitinho”, a vontade de levar vantagem em tudo são alguns dos nossos traços típicos. Mas de um modo geral, os brasileiros com este jeitão meio jeca, meio caipira, ainda somos um povo trabalhador: de sétima economia do planeta, podemos ultrapassar em breve povos milenares que não têm nem metade de nossas “qualidades”. Por que não acreditar que Deus é brasileiro?
 
 
 
*É Professor em Porto Velho (profnazareno@hotmail.com).

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS