close
logorovivo2

Direito de resposta da ASSFAPOM ao Comando Geral da Polícia Militar e Governo do estado de Rondônia

Direito de resposta da ASSFAPOM ao Comando da Polícia Militar de Rondônia

DA REDAÇÃO

4 de Maio de 2011 às 12:17

Direito de resposta da ASSFAPOM ao Comando Geral da Polícia Militar e Governo do estado de Rondônia

FOTO: (Divulgação)

A ASSFAPOM (Associação dos Familiares dos Praças da Polícia Militar de Rondônia), vem a público esclarecer sobre a nota emitida na manhã desta quarta-feira (4) pelo Comando Geral da Polícia Militar de Rondônia. A ASSFAPOM esclarece:
1 – A ASSFAPOM esclarece, que a paralisação foi o ultimo recurso que os familiares e policiais militares tiveram para reivindicar seus direitos. A associação sempre zelou pelo diálogo e pela resolução das coisas através de forma pacífica, porém a irredutibilidade do governador Confúcio Moura e sua assessoria nos levou a manifestação;
2 – Após passados dois dias e meio à paralisação, onde o governador já havia assinado o acordo com os treze itens reivindicados, e o Comandante Geral assinado que não haveria retaliações perseguições e que todas as investigações seriam realizadas de forma constitucional dentro da legalidade, após deliberar com os policiais militares sobre a abertura dos portões a ASSFAPOM recebeu um oficial de justiça notificando sobre à medida liminar, isso prova que a suspensão do movimento se deu pelo compromisso do Governador e do Comando Geral, e não através de uma liminar judicial.
3 – Durante a manifestação o próprio Comandante Geral da Polícia Militar e o Governador de Rondônia, afirmaram em coletiva de imprensa que a situação estava totalmente sobre controle e que não havia caos, nem perigo a ordem pública, fato que mostra a contradição do comando ao afirmar que a ASSFAPOM através de seu movimento colocou a sociedade e ordem pública em risco.
4 – A ASSFAPOM deixa claro que o movimento foi em busca de melhorias que beneficiará desde o Soldado ao Coronel, e principalmente a sociedade, que terá nas ruas profissionais respeitados perante o estado. Nunca tivemos como idéia causar quaisquer transtornos a população rondoniense.
5 – A alegação do Comando Geral de que não está havendo perseguição aos policiais militares é uma inverdade, haja vista que conforme ofício 239/2011/Div Adm/Sc Pes/1º BPM, o Soldado PM, Jesuino Boabaid, foi transferido sem qualquer justificativa, para a Ajudância Geral do Comando Geral da Polícia Militar. Conforme escala de serviço 228, Rádio Patrulha de 24 de Abril de 2011, onde os policiais militares que exerciam a função de comando há vários anos, foram remanejados, confirmada através da escala de serviço 236 do 1º Batalhão. Com essa decisão, dois setores da capital ficaram sem policiamento na data do remanejamento.
6 – Os policiais militares jamais agirão de forma intolerante em qualquer situação que seja, e também zelamos pelo diálogo e principalmente os acordos feitos por nossa entidade, fato que não está ocorrendo por parte do Governo de Rondônia e do Comando Geral da Polícia Militar, até o presente momento.
7 – Pedimos aos policiais militares que se tranqüilizem com essas atitudes que vem sendo tomadas pelo Comando Geral, pois a ASSFAPOM jamais irá se acovardar e já acionou o seu departamento jurídico para verificar todas as medidas legais que possam ser tomadas em defesa dos policiais militares do estado de Rondônia.
Jesuino Boabaid.
Presidente da ASSFAPOM

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS