close
logorovivo2

Projeto Cartografia da Amazônia recebe R$ 5,9 milhões

Projeto Cartografia da Amazônia recebe R$ 5,9 milhões

DA REDAÇÃO

2 de Março de 2009 às 08:24

Projeto Cartografia da Amazônia recebe R$ 5,9 milhões

FOTO: (Divulgação)

O valor servirá para custear as operações de mapeamento da região, comprar navios e outros equipamentos para atualizar a cartografia náutica das principais hidrovias da região

O projeto Cartografia da Amazônia recebeu do governo federal R$ 5,9 milhões para as atividades do primeiro trimestre deste ano. Os recursos foram repassados para a Aeronáutica, o Exército, a Marinha e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), parceiros executores da ação.

O valor servirá para custear as operações de mapeamento da região, comprar navios e outros equipamentos para atualizar a cartografia náutica das principais hidrovias da região, garantindo maior segurança à navegação.

Segundo o gerente do Centro Técnico e Operacional do Sipam em Manaus (Censipam), Bruno Monteiro, a estimativa é de que, por ano, o projeto receba R$ 70 milhões para execução das atividades, até 2012. Em entrevista à Agência Brasil, Monteiro disse que as informações produzidas pelo projeto Cartografia da Amazônia poderão ser usadas para o planejamento e execução de obras de infra-estrutura na região Amazônica, no monitoramento e controle das fronteiras, na segurança náutica e ainda em estudos de ordenamento territorial.

“Cada parceiro dessa idéia [Aeronáutica, Exército, Marinha e CPRM] vai gerar produtos cartográficos desejados, a partir do investimentoi federal. Com isso, será possível planejar melhor as ações para a Amazônia, incluindo a instalação de rodovias e hidrelétricas, já que o projeto apresentará maior detalhamento dos mapas da região.”

Lançado em setembro do ano passado, o projeto pretende concluir a cartografia náutica, terrestre e geológica dessa localidade, que hoje apresenta quase 1,8 milhão de quilômetros quadrados sem qualquer informação cartográfica terrestre. A área total da região é de 5,2 milhões de quilômetros quadrados.

Os resultados dos projetos farão parte de um banco de dados que também deve auxiliar no monitoramento de segurança e defesa nacional, em especial nas áreas de fronteiras. Até então, as informações cartográficas existentes são do Projeto Radar na Amazônia (Radam), implantado na década de 70 para a pesquisa de recursos naturais.

O mapeamento terrestre começou no segundo semestre do ano passado por São Garbiel da Cachoeira, norte do Amazonas. Em cinco meses, de acordo com o Sipam, o Exército mapeou 158 mil quilômetros quadrados da floresta, o que equivale a todo o estado do Acre ou 27 vezes o tamanho do Distrito Federal. As chuvas características desse período na região atrasaram o cronograma inicial, prejudicando a captura das imagens e o deslocamento das equipes por terra. O projeto Cartografia da Amazônia vai custar aos cofres do governo brasileiro cerca de R$ 350 milhões, dos quais 68,5 milhões já foram liberados.

Para a realização da cartografia terrestre, serão contratadas 2.250 horas de vôo da Força Aérea Brasileira (FAB) e da iniciativa privada nacional. Também caberá a essas aeronaves fazer o sobrevôo de 445.248 quilômetros para a cartografia geológica. Uma equipe de 25 militares, orientada por GPS, trabalha diretamente na mata, transportando equipamentos que auxiliam nas operações, em coordenadas pré-determinadas, e coletando as informações. Onze pontos terrestres já foram mapeados, mas todo projeto inclui um percurso de 250 pontos. As informações são da ABr.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS