close

Justiça condena município a pagar 200 salários mínimos à casal cujo filho recém-nascido morreu vítima de traumatismo craniano

Justiça condena município a pagar 200 salários mínimos à casal cujo filho recém-nascido morreu vítima de traumatismo craniano

DA REDAÇÃO

27 de Dezembro de 2008 às 12:23

Justiça condena município a pagar 200 salários mínimos à casal cujo filho recém-nascido morreu vítima de traumatismo craniano

FOTO: (Divulgação)

Ariquemes, Rondônia - O juiz Franklin Vieira dos Santos, da 3ª Vara Cível de Ariquemes, julgou procedente em parte a ação de indenização por danos morais movida contra o Município pelo lavrador Waltemi Barbosa Ribeiro e sua mulher, a dona de casa Glaucilene Francelino de Souza, e condenou a municipalidade a pagar duzentos salários mínimos (R$ 83 mil) ao casal, cujo primeiro filho recém-nascido morreu vítima de traumatismo craniano provocado por erro médico.
Na ação, o casal afirmou que Glaucilene , sentindo que estava em trabalho de parto, procurou o Hospital Regional de Ariquemes no dia 11 de abril de 2006. No entanto, o médico plantonista determinou que retornasse para casa. No dia seguinte, sentindo dores, voltou ao hospital e novamente foi encaminhada para casa.
Já no dia 13 de abril , por volta das 13h, retornou novamente ao hospital e foi encaminhada à sala de cirurgia pelo médico Gil Ney Eloi Estabelini.
A criança nasceu por volta das 20h. Já no dia seguinte, quando se passara 5 horas do nascimento, seu filho faleceu.
Segundo o atestado de óbito, a causa da morte foi traumatismo crânio- encefálico, trabalho de parto. No dia do parto, por volta de zero hora, o pai da criança foi informado que precisaria remover o filho para atendimento em Porto Velho ou para o Hospital da Criança. Como não havia carro no Hospital Regional, prontificou-se a levar o filho em seu próprio veículo ao Hospital da Criança.
Após autorização do médico e acompanhado por uma enfermeira, levou seu filho até o outro hospital. O médico plantonista esforçou-se afirmando que faria o possível, mas ficou indignado com o estado em que se apresentou a criança. Esta não resistiu morreu cerca de uma hora depois.
O pai da criança procurou o Ministério Público e a delegacia de polícia denunciando o caso. O médico que atendeu a parturiente afirmou que a criança nasceu com o cordão umbilical enrolado no pescoço. O parto foi iniciado como natural. Como a mãe não conseguia ter a criança, foi ajudada pela enfermeira, que forçava a saída da criança com os punhos.
Como não dava resultado, o próprio médico fez força contra a barriga da mãe, conseguindo expulsar o feto, mas com graves conseqüências. O médico afirmou que o cordão umbilical estava enrolado no pescoço.
Na defesa, o Município de Ariquemes apresentou sua contestação, onde afirma que o casal foi atendido com presteza e urbanidade. Afirma que na responsabilização do médico deve-se evidenciar a existência de culpa. A causa mortis pode ter ocorrido em virtude de inúmeros fatores, até mesmo uma queda sofrida pela mãe da criança e que não haveria qualquer prova de nexo causal entre a morte e a conduta do médico.
Para o juiz Franklin Vieira dos Santos, no entanto, as provas permitem concluir que a morte da criança adveio de ação do médico, que agia investido na função de agente público.
Segundo o laudo da necropsia, o falecimento adveio de traumatismo craniano. “Em outras palavras, alguma ação causou o traumatismo craniano e tal aconteceu desde a chegada da parturiente ao hospital até o falecimento da criança, que sempre esteve sob a tutela do Estado”, ressalta o magistrado, acrescentando que o Município de Ariquemes ainda chegou a esboçar uma defesa alegando a possibilidade de o trauma ser decorrente de uma queda sofrida pela mãe da criança. “No entanto, a defesa ficou na esfera da possibilidade, pois o contestante não produziu sequer indício ou informação que permitisse ao juízo aprofundar no conhecimento desta questão. De qualquer forma, todos os elementos dos autos permitem concluir que a morte da criança adveio de conduta inoficiosa (negligência, imprudência ou imperícia) de agente público dentro do Hospital Regional de Ariquemes”, enfatiza.
 
 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS