close
logorovivo2

Notícias da Região Norte - Acre, Amazonas e Roraima

Notícias da Região Norte - Acre, Amazonas e Roraima

DA REDAÇÃO

18 de Novembro de 2008 às 07:39

Notícias da Região Norte - Acre, Amazonas e Roraima

FOTO: (Divulgação)

 

ACRE

Caso Abib Curi: Juruna chega hoje ao Acre

Genival da Silva, o ‘Juruna’, foi preso em Porto Velho, Rondônia e deveria ter chegado ao Estado ontem, mas não houve vaga no vôo. A chegada do acusado está marcada para hoje ao meio-dia. Com seu depoimento, a situação para os empresários mandantes do crime pode se complicar.

E Martini Martiniano de Oliveira concedeu entrevista coletiva na manhã de ontem na 2ª Vara Criminal da Comarca de Rio Branco. A condição dada pelo acusado foi somente responder perguntas relacionadas ao assassinato do médico Abib Curi. Martiniano estava acompanhado por seu advogado Mário Jorge Cruz.

A conversa aconteceu na sala de interrogatório vizinha ao gabinete da juíza Denise Castelo Bonfim e durou pouco mais de 20 minutos, mas o suficiente para o acusado fornecer detalhes preciosos sobre o caso. E um desses detalhes foi a revelação das quatro reuniões entre os empresários Pedro Lustosa e Luís Figueiredo e os outros acusados para a preparação do crime. Os detalhes são tão precisos que Martini lembrou ter tomado um cafezinho com Figueiredo dentro do antigo prédio da prefeitura de Rio Branco. “A gente se encontrava no coreto da praça. Eu, o Luis e o Patrick (Pedro)”, disse.

E esse detalhe serviu de refutação para a declaração dada pelos empresários acusados de serem os mandantes do crime, na qual diseram que não o conhecem e que não tiveram qualquer tipo de negócio com ele ou mesmo com Abib.

Sem suborno
Ele destacou que só está preso porque a polícia acreana mudou, senão estaria livre por meio de suborno. E sua colaboração com a justiça está condicionada à punição dos mandantes do crime, porque caso contrário, ele vai se matar dentro do presídio. “Estou falando a verdade, doa a quem doer. Eu não vou responder por um crime que eu não cometi sozinho”, alertou Martini.

Martini Martiniano afirmou ainda que não tinha nenhuma relação com Abib antes do crime, e só existiu, porque foi contratado para “investigar quem entrava e saia da casa dele durante uns 16 dias. Minha missão era fazer o levantamento de como poderia entrar lá dentro. Foi pra isso que fui contratado”, revelou.

E para executar esse serviço, o suspeito afirma ter recebido inicialmente R$ 5 para monitorar a casa de Abib Cury e ajudar os pistoleiros contratados pelo ‘Juruna’, no Maranhão, para roubar os comprovantes das dívidas. Mas com a morte do médico e ao descobrir que o crime era por motivo de dívidas altíssimas, ele passou a extorquir os dois empresários, tendo perdido as contas do dinheiro que lucrou com isso. Os dois pistoleiros contratados no Maranhão receberam R$ 12 mil, em pagamento à vista. “Durante quatro anos eles me deram dinheiro.

Quando não mandavam, eu vinha a Porto Velho e dizia quanto queria. O Patrick era quem levava a encomenda. O último pagamento foi de R$ 12 mil. Acho que recebi entre R$ 60 a R$ 80 mil”, disse.

Testemunhas
O principal acusado da morte de Abi Cury disse ainda existir testemunhas que vão provar em juízo as reuniões mantidas por ele e os dois empresários. “Esses encontros foram testemunhados por muitas pessoas. Elas vão provar em juízo o que eu estou falando”, prometeu.

Martini, durante a entrevista, quase pediu desculpas a juíza Denise Castelo Bonfim pelas acusações feitas à ela na imprensa paraibana, acusando-a de perseguição. “Achei até que a juíza, por eu ter uma família de prestigio e respeito, estar me perseguindo, mas quando eu cheguei aqui percebi que tudo era diferente, ela quer apenas fazer justiça. Estou colaborando e graças a Deus a minha família está segura”, desabafou.

Segundo Martini, não foi ele, mas sim, o empresário Pedro Lustosa, a quem chamou de Patrick, que abriu a porta de Abib Cury para os pistoleiros entrarem. “Ele ajudou a abrir a porta para entrar os dois pistoleiros que vieram lá do Maranhão. O Abib Cury era esperto, só entrava lá quem tinha negócios”, afirmou.

Ele disse ainda que a intenção não era matar o médico. “Se alguém provar que eu estou mentindo, se tiver uma bala no corpo dele eu dou a minha cara a bofete e quero que a justiça me condene a morte”, reafirmou.

Martiniano afirmou ainda que o dono da loja Patrick esteve na casa de Abib logo após a sua morte e foi dele a idéia de desaparecer com o corpo da vítima . “Quando eu fiquei sabendo do ataque cardíaco do Abib liguei para o Luís Figueiredo, depois o Patrick apareceu feito louco´, revela, acrescentou.

Segundo o acusado, Patrick deixou a casa levando consigo uma pilha de documentos, entre eles, notas fiscais, ações da Petrobrás e cheques. “Nós alimentamos os cachorros para que não fizessem barulhos e seguimos para dar sumiço ao corpo. Patrick sumiu com os documentos e a casa ficou aberta”, disse.

Notas de R$ 100
A polícia confirmou que os R$ 10 mil que estavam com Luiz Figueiredo foi sacado em uma agência do Banco do Brasil e estava todo em notas de R$ 100. Isso descarta a alegação da defesa de que o montante era resultado do fechamento do caixa de sua loja.

AMAZONAS

Estudo sugere plantio de 1 bilhão de árvores na Amazônia

Em um esforço conjunto, pesquisadores de várias instituições elaboraram e entregaram esta semana ao secretário estadual de Meio Ambiente, Valmir Ortega, relatório com recomendações técnicas-científicas ao Programa “Um bilhão de árvores para Amazônia”.

Com embasamento científico de levantamentos feitos ao longo de décadas de trabalho, eles visam promover a restauração florestal e ecológica em áreas degradadas e de preservação permanente no Pará.

Em mais de 100 páginas, o documento apresenta as bases técnicas e referenciais do programa, incluindo os critérios de recuperação de áreas degradadas e a indicação de várias espécies vegetais e de modelos de sistemas produtivos, com componente arbóreo, que poderão ser utilizados nas áreas a serem reflorestadas.

O documento apresentado é resultado de uma parceria interinstitucional entre o Museu Paraense Emílio Goeldi, a Embrapa Amazônia Oriental, o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Estado do Pará, a Universidade Federal Rural da Amazônia, o Instituto de Desenvolvimento Florestal do Pará e  a Sema.

O objetivo das parcerias é de elaborar as bases técnicas referenciais para a estruturação do Programa Estadual de Restauração Florestal, que suscitou o interesse da comunidade científica local desde o seu lançamento, em maio deste ano.

Financiamento

De acordo com o documento, que reúne ainda informações sobre linhas de financiamento e a legislação relacionada às ações de reflorestamento, vários aspectos foram considerados para a seleção e indicação das espécies que serão priorizadas pelo Programa, como espécies vegetais de crescimento rápido e/ou que ofereçam alimentação e proteção à fauna local.

No total, 33 espécies arbóreas são indicadas no documento, incluindo as espécies ameaçadas de extinção no Pará, como o pau-amarelo (Euxylophora paraensis Huber), a maçaranduba (Manilkara huberi), a castanheira (Bertholletia excelsa), o pau rosa (Aniba rosaeodora Ducke), entre outras.

RORAIMA

Mais cinco assaltos são registrados

Além dos assaltos ao oficial do Exército e do comerciante na região do Água Boa, pelo menos outras cinco pessoas também denunciaram na polícia terem sido vítimas de roubo no final de semana, nos bairros Cambará, Olímpico, Santa Luzia, Liberdade e Senador Hélio Campos. A primeira foi Ângelo Reinaldo da Silva, assaltado por dois bandidos dentro de seu estabelecimento comercial. Os desconhecidos estavam usando capacetes, roubaram cerca de R$ 1,5 mil e fugiram em uma motocicleta.
Em outra investida, uma dupla de ladrões armados com pistola invadiu uma residência no bairro Senador Hélio Campos, na tarde de domingo e rendeu quatro pessoas. Os bandidos amarraram as vítimas com cintos e deixaram todos trancados no banheiro. Eles fugiram com cerca de R$ 1 mil e quatro celulares.
José Alves de Lima, também comerciante, proprietário de uma frutaria no bairro Liberdade, foi outra vítima. Era por volta das 20h30 de sábado quando dois desconhecidos armados com pistola entraram em seu comércio e roubaram cerca de R$ 350,00, além de bebida. Os ladrões estavam usando boné e fugiram em uma moto que estava parada próxima do local.
Cerca de duas horas depois, outro assalto foi registrado desta vez no bairro Santa Luzia. A vítima foi José Alves de Lima, assaltado por dois desconhecidos que andavam em um Fiat Uno prata, quatro portas. “Eles estavam armados e roubaram R$ 300,00”, disse.
A quarta vítima foi outro comerciante, Francisco da Costa, atacado por um casal quando passava de moto por uma rua que liga a Vila Olímpica ao bairro Jóquei Clube. Era por volta das 21 horas quando a motocicleta parou de funcionar. O casal parou ao lado em outra motocicleta e inesperadamente ele foi atacado pela mulher.
“Ela me agarrou pelo pescoço e jogou no chão. Ao mesmo tempo, puxou minha carteira do bolso e fez ameaça com uma faca. Eu reagi com o capacete, mas logo parei porque o cara que estava com ela efetuou dois tiros e nesse momento saí correndo”, disse o comerciante.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS