close

Amazonas - PF aponta elo de juízes com investigados em Coari

Amazonas - PF aponta elo de juízes com investigados em Coari

DA REDAÇÃO

6 de Junho de 2008 às 08:33

Amazonas - PF aponta elo de juízes com investigados em Coari

FOTO: (Divulgação)

O esquema de corrupção da organização Criminosa (Orcrim), como se referia a Polícia Federal à quadrilha que atuava em Coari (a 363 quilômetros a oeste de Manaus), operava também no Poder Judiciário, tendo como principal elo o secretário de Administração da cidade, Adriano Salan, suspeito de comandar as irregularidades com o prefeito Adail Pinheiro. Foi através dos telefones celulares de Salan que a PF conseguiu gravar, com autorização da Justiça Federal, a partir de setembro de 2006, centenas de diálogos com três juízes do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Hugo Levy, Rômulo Fernandes e Ana Paula de Medeiros Braga, esta última juíza da 2ª Vara do Juizado de Pequenas Causas da Comarca de Coari. As gravações das conversas, que baseiam o inquérito 413/2004, a que o jornal Diário do Amazonas teve acesso com exclusividade, mostram um alto grau de afinidade entre eles. No caso da juíza, os pedidos recorrentes eram por passagens aéreas para Manaus e retorno para Coari. Em uma das escutas, o juiz Rômulo orienta a juíza da comarca, Ana Paula, a elaborar uma sentença favorável ao prefeito, no processo sobre a presidência da Câmara Municipal de Coari. As gravações revelam ainda que Hugo Levy, por várias vezes, convida Adriano a ir à sua casa, para discutir questões de interesse do grupo. Em um dos diálogos, Adriano pede para levar o vice-prefeito Rodrigo Alves à casa do magistrado para discutir o processo em que foi flagrado com R$ 210 mil, em Tefé (a 523 quilômetros a oeste de Manaus), na campanha eleitoral de 2006, quando Alves era candidato a deputado estadual. ICMS Em todos os diálogos gravados em que aparece, o juiz Rômulo Fernandes orienta Adriano como proceder nos processos judiciais, que envolvem a Prefeitura de Coari, como a disputa do ICMS e do controle da Câmara Municipal. “Eu queria passar um e-mail pro senhor fazer uma correção aqui no ofício urgente que nós temos que mandar para a presidência do TRT (Tribunal Regional do Trabalho)”. diz Adriano. Rômulo responde: “Só que no Fórum não tem e-mail. Manda pro Fabiano, aí ele dá o jeito de mandar pra mim”, diz o juiz.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS