close
logorovivo2

MP entra com Ação Civil Pública contra cervejaria Public Haus

MP entra com Ação Civil Pública contra cervejaria Public Haus

DA REDAÇÃO

21 de Agosto de 2007 às 17:24

MP entra com Ação Civil Pública contra cervejaria Public Haus

FOTO: (Divulgação)

*O Ministério Público do Estado de Rondônia entrou com uma Ação Civil Pública com pedido de liminar contra a Public Haus – Cervejaria Gastronômica, por provocar poluição sonora, perturbação de sossego e tranqüilidade pública, causados pela emissão de som acima dos limites permitidos pela Lei. A Ação Civil foi impetrada pelas Promotoras de Justiça Aidee Maria Moser e Andréa Luciana Damacena Engel, no dia 9 de agosto. *Na Ação, as Promotoras solicitam a expedição do Mandado Liminar para que seja imediatamente paralisado o funcionamento do estabelecimento, evitando assim o prosseguimento de qualquer atividade sem o cumprimento das exigências legais que importem em dano ambiental, enquanto não forem feitas as adaptações necessárias no local, sob pena de Crime de Desobediência (art. 330, do Código Penal) e multa diária de R$ 1.500,00, ou a fixação de multa correspondente a R$ 3 mil para cada evento realizado utilizando-se de som acima dos níveis permitidos. *Desde o dia 4 de junho, a Promotoria de Justiça vinha recebendo denúncias contra o estabelecimento, que já tinha sofrido, de forma alternada, fiscalizações da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e do Batalhão de Polícia Ambiental. Em todas as medições feitas pelos órgãos ambientais verificou-se a ocorrência de som acima dos níveis permitidos. *As Promotoras observam que o empreendimento está edificado em uma área residencial, a 200 metros da Maternidade Regina Pacis, 500 metros do Hospital 9 de Julho e a 400 metros do Colégio Padre Moretti. Enquanto a NBR 10.152 estabelece para o nível permitido em zona residencial urbana o máximo de 55 decibéis no período diurno e 50 no noturno, nas medições feitas pelo Batalhão Ambiental na Cervejaria o volume de som variou entre 59,37 Db até 105.83 Db. *A alegação dos proprietários da Cervejaria, Daniel e Ivanda Maia, de que teria autorização para utilizar “som ao vivo” foi contestada pela Promotoria, uma vez que a autorização expedida pela Delegacia de Jogos e Diversões, apenas faz referência ao horário de funcionamento e advertência quanto ao cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente e/ou legislação subsidiária. *Uma vez concedida a liminar, as promotoras pedem que sejam oficiados a Sema, a Semfaz e a Delegacia Especializada em Fiscalização e Controle em Hotéis e Estabelecimentos de Jogos e Diversões para que não expeçam Alvará de Funcionamento com autorização de música, seja ao vivo ou eletrônica, ao estabelecimento em questão.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS